Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Cerca de 15 milhões de doses da vacina contra a Covid da Johnson&Johnson destruídas por erro na produção

Desenvolvimento do fármaco foi interrompido, mas autoridades de saúde esperam ter 'stock' suficiente até ao verão.
Correio da Manhã e Lusa 1 de Abril de 2021 às 00:18
Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa FOTO: Reuters
Um erro na produção de vacinas contra a Covid-19 da empresa Johnson&Johnson resultou no desperdício de cerca de 15 milhões de doses, em Baltimore, EUA.

De acordo com a publicação norte-americana, citada pela agência France-Presse, há algumas semanas os empregados da fábrica em questão, gerida pela empresa Emergent BioSolutions, parceira da J&J, confundiram os ingredientes necessários à fabricação da vacina.

Há várias semanas, os responsáveis pela produção misturaram componenetes de duas vacinas diferentes. A confusão resulou na interrupção de remesas futuras da Johnson&Johnson nos Estados Unidos. 

Segundo o jornal The New York Times, o erro significa um grande entrave na distribuição da vacina, considerada uma das responsáveis por acelerar a imunização no país.

As autoridades de saúde esperam ainda ter doses suficientes para fazer cumprir o compromisso do presidente Joe Biden, de fornecer o fármaco a todos os adultos norte-americanos até ao final do verão. No entanto, futuras entregas deverão ter origem na fábrica de Baltimore, no estado do Maryland (nordeste), apesar da autorização para fabricação ainda estar em atraso, segundo o diário.

Contactada pela AFP, a Johnson & Johnson não confirmou o número de 15 milhões, mas declarou que os controlos de qualidade efetuados no lugar "identificaram um lote de substância medicamentosa que não cumpria os padrões de qualidade da Emergent BioSolutions, uma unidade que ainda não está autorizada a fabricar a substância medicamentosa para a nossa vacina contra a covid-19".

"Esse lote não chegou a passar pelas etapas de enchimento e acabamento do nosso processo de fabricação", acrescentou a J&J num comunicado.

A agência americana dos medicamentos (FDA) foi posta ao corrente da situação, e foram deslocados para o local "especialistas suplementares" para supervisionar as operações, de acordo com a empresa.

"Em coordenação com o Departamento americano da Saúde, essas medidas vão permitir-nos entregar com toda a segurança 24 milhões de doses da vacina durante o mês de abril", afirmou a Johnson & Johnson.

A vacina da J&J administra-se numa só toma, pelo que 15 milhões de doses equivalem a 15 milhões de pessoas vacinadas.

Segundo a empresa, já foram distribuídas 20 milhões de vacinas em março nos Estados Unidos, de acordo com os objetivos fixados.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tinha anunciado no início de março que iria procurar dobrar os pedidos do país a empresa, comprando mais 100 milhões de vacinas, que se adicionam aos 100 milhões já contratualizados.

Os Estados Unidos registaram 875 mortes provocadas por covid-19 nas últimas 24 horas, além de 61 240 novos casos, de acordo com a contagem independente da Universidade norte-americana Johns Hopkins.

Covid-19 Johnson&Johnson Baltimore EUA economia negócios e finanças saúde economia negócios e finanças
Ver comentários