Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Colômbia autoriza pela primeira vez eutanásia a mulher sem doença terminal

Martha Sepúlveda, de 51 anos, sofre de esclerose lateral amiotrófica, que a levou a perder parte dos movimentos.
Correio da Manhã 6 de Outubro de 2021 às 20:59
Colômbia autoriza pela primeira vez eutanásia de mulher sem estado terminal
Colômbia autoriza pela primeira vez eutanásia de mulher sem estado terminal FOTO: Twitter de Federico Redondo Sepúlveda

Este domingo, dia 10, Martha Sepúlveda, vai ser a primeira pessoa sem doença em estado terminal a ser eutanasiada na Colômbia.

O país já permitia o procedimento de morte medicamente assistida a doentes em quadros terminais, mas, em julho, uma mudança na lei passou a permitir a eutanásia a pessoas com quadros não terminais. O critério é que o paciente "passe por sofrimento físico ou mental intenso, tenha uma lesão corporal grave ou doença incurável".

É esse o caso de Martha, de 51 anos, que sofre de esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença degenerativa que afeta o sistema nervoso e causa paralisia progressiva e irreversível. Até ao momento não existe cura para a doença, apenas tratamentos para atrasar a perda motora gradual.

Martha fez o pedido para a eutanásia apenas dois dias depois da alteração da lei e disse em entrevista à emissora colombiana Caracol que ficou "mais tranquila" depois de o procedimento ser autorizado.

"Deus não me quer ver sofrer e acredito que não quer ver ninguém sofrer. Nenhum pai quer ver os seus filhos sofrerem", disse.

Relatou ainda que sente dores intensas e que perdeu grande parte dos movimentos. "As pessoas dizem: ‘por que não lutas mais?’, e eu respondo que ‘estou literalmente sem forças, luto para descansar'".

O filho Federico, de 22 anos, confessa que gostaria de ter a mãe com ele por mais tempo, mas que aceitar a decisão da eutanásia é o "maior ato de amor" que já teve de fazer. "O meu objetivo agora é fazê-la feliz, fazer com que ela se ria e se divirta um pouco. E que a sua estadia na Terra, pelos dias que ainda restam, seja um pouco melhor", acrescenta.

Martha Sepúlveda Colômbia doenças política eutanásia morte esclerose lei tribunal
Ver comentários