Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Conferência sobre o Futuro da Europa deve produzir "resultados concretos", sublinham eurodeputados

Conferência é uma iniciativa que pretende dar voz aos cidadãos num debate alargado quanto ao futuro do projeto europeu.
Lusa 19 de Junho de 2021 às 15:42
Decisão a 27 trouxe muitos atrasos
Decisão a 27 trouxe muitos atrasos FOTO: Direitos Reservados
Os eurodeputados Pedro Silva Pereira (PS) e Paulo Rangel (PSD) defenderam este sábado que a Conferência sobre o Futuro da Europa deve produzir resultados concretos que respondam às expectativas dos cidadãos e promover a integração europeia.

Intervindo na sessão plenária inaugural da Conferência sobre o Futuro da Europa, que decorreu de manhã em Estrasburgo (França), Pedro Silva Pereira defendeu que o projeto europeu deve ir ao encontro das expectativas dos cidadãos para travar o crescimento de movimentos populistas na Europa.

"Depois de duas crises devastadoras, a melhor resposta ao crescimento do nacionalismo populista e eurocético, que ameaça hoje a construção europeia, é promover um grande movimento de reencontro do projeto europeu com as expectativas dos cidadãos e construir, com resultados concretos, uma Europa mais justa, mais solidária, mais democrática e mais forte", defendeu o eurodeputado socialista.

Para Silva Pereira, a Conferência sobre o Futuro da Europa, uma iniciativa promovida pela União Europeia (UE) que decorre até à primavera do próximo ano, só terá "sucesso" se garantir que "as opiniões dos cidadãos serão levadas a sério".

"A mensagem principal que deve sair daqui hoje é um forte apelo à efetiva participação dos cidadãos neste debate sobre o futuro da Europa", defendeu o eurodeputado, lembrando que "a UE existe para os cidadãos" e que, por isso mesmo, este debate deve promover a sua participação.

Por seu lado, o eurodeputado social-democrata Paulo Rangel quis deixar "bem claro" que acredita no projeto europeu e num "futuro comum melhor", razão pela qual apelou para uma maior integração europeia.

"Precisamos de mais integração, e, se for caso disso, de uma Europa federal, mas não de uma Europa centralizada", defendeu, distinguindo o federalismo da centralização pelo facto de o primeiro respeitar "a tomada de decisão pelos cidadãos".

O deputado do PCP Bruno Dias, que interveio na sessão enquanto representante do Parlamento português, criticou a UE por "sistematicamente ignorar e desrespeitar" as vozes dos cidadãos, em detrimento dos "interesses dos grandes grupos económicos e das grandes potências".

"Não contem connosco para farsas de debate e falsos dilemas entre ficar tudo na mesma com retoques cosméticos ou impor novos saltos no aprofundamento da exploração, dominação e desigualdade", vincou Bruno Dias.

Por sua vez, o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Tiago Antunes, que participava na sessão plenária em representação do Conselho Europeu, garantiu que "Portugal está firmemente empenhado" em contribuir para a Conferência sobre o Futuro da Europa, "realizando múltiplos eventos nacionais e até alguns transnacionais", para discutir o tema.

A Conferência sobre o Futuro da Europa é uma iniciativa promovida pela Comissão Europeia, Parlamento Europeu e Conselho que pretende dar voz aos cidadãos num debate alargado quanto ao futuro do projeto europeu.

O evento, que arrancou no passado dia 9 de maio, tem como ferramenta principal uma plataforma digital multilingue através da qual todos os cidadãos são convidados a participar neste debate, partilhando propostas para o futuro da Europa em várias matérias, desde as alterações climáticas à cultura.

Ver comentários