Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

"Doença atual: Homossexualidade": o diagnóstico de uma ginecologista que está a chocar Espanha

Jovem queixava-se de um distúrbio do ciclo menstrual.
7 de Outubro de 2021 às 18:09
Bandeira LGBT
Bandeira LGBT

Uma jovem de 19 anos foi a uma consulta de ginecologia esta segunda-feira no hospital Reína Sofia, na cidade de Múrcia, em Espanha, e depois de ser examinada recebeu um papel com o diagnóstico: "Doença atual: Homossexualidade".

A mãe e a filha levaram o assunto à atenção do grupo LGBT local, chamado Galactyco, que apresentou uma queixa formal ao governo regional de Múrcia, ao ministério regional da saúde e ao serviço regional de saúde.

A jovem marcou a consulta por causa de uma proiomenorreia, um distúrbio do ciclo menstrual que encurta os intervalos entre as menstruações, e acabou por sair da consulta a chorar.

A mãe disse ao jornal online elDiario.es que o ginecologista tinha perguntado à filha se podia incluir a orientação sexual no relatório. A jovem na altura consentiu por achar que a informação seria relevante, pelo facto de o médico ter tido dificuldades em inserir o ultrassom na vagina.

Foi só depois de ler o relatório médico e de conversar com a mãe que decidiram falar com o grupo LGBT Galactyco. "Não podem haver médicos assim, estas atitudes devem ser erradicadas", disseram ao elDiario.es.

O grupo LGBT já se pronunciou num comunicado em que afirma que "recebeu inúmeros relatos de tratamento degradante devido à orientação sexual ou de género".

"A Organização Mundial da Saúde retirou a homossexualidade da lista de doenças mentais em 1990 e, no entanto, 31 anos depois, ainda existem alguns profissionais no serviço de saúde de Múrcia que veem a orientação sexual como uma doença", pode ler-se no comunicado.

O Serviço de Saúde de Múrcia já disse que"serão tomadas todas as medidas necessárias para o conhecimento pormenorizado dos factos e a consequente adoção das medidas cabíveis". 

Ver comentários