Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Elon Musk congela compra do Twitter até que empresa mostre que contas falsas são inferiores a 5%

Anúncio foi feito pelo fundador da Tesla na sua conta da rede social Twitter
Correio da Manhã e Lusa 13 de Maio de 2022 às 11:17
Elon Musk
Elon Musk FOTO: Reuters
Elon Musk, que tinha anunciado a compra do Twitter, por mais de 41 mil milhões de euros, revelou agora que decidiu congelar a compra até que a rede social mostre que as contas falsas são inferiores a 5%.

No caso de a direção da empresa venha a revelar que as contas falsas são superiores a 5%, o acordo pode vir a ser modificado ou até suspenso.

O anúncio foi feito pelo fundador da Tesla na sua conta da rede social Twitter.
A notícia da suspensão da compra no Twitter fez com que as ações caíssem quase 20% para cerca de 36,5 dólares, em negociação contínua antes da abertura de Wall Street.

Em 28 de março, o Conselho de Administração do Twitter aceitou a oferta de aquisição de Musk no valor de 44.000 milhões de dólares, à razão de 54,20 dólares por ação, embora o negócio ainda não tenha sido fechado e deva ser aprovado pelos reguladores.

O empresário nascido na África do Sul, que gosta muito da rede social, apresentou-se como um defensor da "liberdade de expressão" na plataforma e parece levar essa missão como uma bandeira na sua tomada de posse. Outra das mudanças que Musk prometeu se a compra for concluída é derrotar os 'spam bots' (contas automatizadas) que são publicados nesta rede social, bem como combater as contas falsas que são utilizadas para distorcer o tráfego e o impacto das mensagens nesta plataforma.

Nas últimas semanas, vários fundos de investimento e outros bilionários comprometeram-se a contribuir com 7.000 milhões para os 21.000 milhões que Elon Musk se comprometeu a pagar do seu próprio bolso para adquirir o Twitter.

Entre os magnatas que apoiam Musk estão a cofundadora da Oracle Lara Ellison, a empresa financeira Sequoia, a plataforma de troca de criptomoedas Binance e o príncipe saudita Ali Walid al-Thalal, de acordo com um documento enviado à Securities and Exchange Comission (SEC).

O magnata tinha anunciado a sua intenção de retirar a empresa da bolsa uma vez concluída a operação de compra, bem como de ocupar o cargo de CEO (Chief Executive Officer, presidente executivo) -- como a CNBC relatou na altura -- durante pelo menos "alguns meses" e que, após três anos, a venderia novamente.

Musk também disse que levantaria o veto da rede social ao antigo presidente dos EUA Donald Trump, cuja conta permanece encerrada desde o ataque ao Capitólio por milhares dos seus seguidores em 2021.

O Twitter registou lucros de 513 milhões de dólares (mais de 490 milhões de euros) no primeiro trimestre deste ano, mais sete vezes do que um ano antes (mais 655%), impulsionados pela venda do negócio de publicidade móvel MoPub.
Elon Musk Twitter economia negócios e finanças Informação sobre empresas
Ver comentários
}