Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Em busca de vida no Planeta Vermelho

Rover de exploração pousou junto da Cratera Jezero, para explorar o delta seco de um antigo rio.
Francisco J. Gonçalves 19 de Fevereiro de 2021 às 01:30
Imagens da descida do rover
Primeira imagem do veículo já no solo
Sucesso da aterragem foi saudado efusivamente no centro de controlo da NASA
Rover vai explorar a Cratera Jezero, nome de uma cidade da Bósnia
Imagens da descida do rover
Primeira imagem do veículo já no solo
Sucesso da aterragem foi saudado efusivamente no centro de controlo da NASA
Rover vai explorar a Cratera Jezero, nome de uma cidade da Bósnia
Imagens da descida do rover
Primeira imagem do veículo já no solo
Sucesso da aterragem foi saudado efusivamente no centro de controlo da NASA
Rover vai explorar a Cratera Jezero, nome de uma cidade da Bósnia
A conquista do espaço deu esta quinta-feira mais um passo de gigante. O rover ‘Perseverance’, da NASA, cuja missão é procurar vida em Marte, pousou no Planeta Vermelho perto das 21 horas (hora portuguesa). Mas a dificuldade da manobra final de ‘aterragem’ é tanta que ganhou até o nome de “sete minutos de terror”.



Os calafrios desta quinta-feira eram bem justificados. Depois de mais de sete meses de viagem durante os quais percorreu 470 milhões de quilómetros, a chegada do ‘Perseverance’ a Marte era tudo menos garantida. Prova disso é o facto de, até hoje, somente 40% de todas as missões enviadas àquele planeta terem sido bem sucedidas.

Daí que nem o sucesso recente das missões ‘Curiosity’ (2012) e ‘InSight’ (2018), cujos veículos ainda continuam ativos, fosse tranquilizadora.

A chegada do ‘Perseverance’ (Perseverança, nome bem adequado) aconteceu em três fases: entrada, descida e aterragem. Dez minutos antes de entrar na atmosfera do planeta, deixou a fase de cruzeiro passando à descida. Para dar conta dos sons da aproximação ao solo, o rover foi equipado com um microfone específico. A cerca de 130 km da superfície de Marte, a nave entrou na atmosfera do planeta com uma velocidade de 20 mil km/hora, elevando a temperatura a 1300 graus centígrados. Um escudo inferior protege o veículo espacial do calor.

A atmosfera de Marte não tem capacidade para reduzir suficientemente a velocidade do ‘Perseverance’, que continuou a descer a mais de 1500 km/hora. Por isso, a cerca de 11 km do solo, abriu-se um paraquedas de 21 metros de diâmetro, situado no escudo superior do veículo, permitindo uma redução para os 300 km/hora.

O escudo térmico despega-se do corpo da nave 20 segundos após a abertura do paraquedas.

O local da chegada está bem perto da Cratera Jezero. O foco das atenções do rover é o delta seco de um antigo rio que desagua num lago formado no interior da cratera. O objetivo é determinar, de uma vez por todas, se alguma vez existiu vida no planeta dos nossos sonhos.

saiba mais
1976
A 20 de julho a ‘Viking 1’ pousou em Marte seguida da ‘Viking 2’, a 3 de setembro. As sondas beneficiaram dos avanços da investigação do programa anterior de sondas com destino a Marte, o ‘Voyager’, que foi abandonado em 1971.

Rover e helicóptero
O rover ‘Perseverance’ leva sete instrumentos científicos, 19 câmaras e dois microfones. Leva ainda o helicóptero ‘Ingenuity’, engenho experimental que tentará realizar o primeiro voo de propulsão mecânica noutro planeta.
Ver comentários