Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Encontro em Genebra sobre tensão na Ucrânia termina sem resultados

Antony Blinken e Sergei Lavrov anunciaram novos contactos mas um acordo não parece mais próximo.
Francisco J. Gonçalves 22 de Janeiro de 2022 às 09:30
Blinken e Lavrov em Genebra FOTO: Direitos reservados
Genebra recebeu esta sexta-feira mais uma reunião para tentar aplacar tensões na Ucrânia, mas o encontro entre o secretário de Estado dos EUA e o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia não alcançou avanços significativos. Após as reuniões, Antony Blinken e Sergei Lavrov deram sinais ambíguos sobre o progresso dos debates e sobre as esperanças de uma solução diplomática. Se por um lado disseram que a porta do diálogo continua aberta, por outro lado Blinken reiterou ameaças de “resposta dura” em caso de invasão russa.

“Com base nas prolongadas conversações que tivemos na passada semana e hoje, em Genebra, penso que há bases para dar resposta a algumas das preocupações mútuas que temos sobre segurança”, afirmou Blinken.

Já o ministro russo mostrou bastante menos otimismo. “Não sei se estamos no bom ou no mau caminho. Saberemos isso quando recebermos em papel a resposta americana a todos os pontos da nossa proposta”, afirmou Lavrov, em alusão, desde logo, à exigência de garantias de que a Ucrânia não virá a aderir à NATO.

Depois do envio da proposta, Blinken disse ter acordado com Lavrov “que haverá novas reuniões depois disso”. De acordo com fontes da delegação russa em Genebra, essas reuniões adicionais deverão ter lugar no início de fevereiro.

Reunião de Biden com Putin no horizonte
A reunião desta sexta-feira entre os chefes da diplomacia dos EUA e da Rússia em Genebra poderá ser seguida de um encontro entre os presidentes Joe Biden e Vladimir Putin, segundo deram a entender fontes diplomáticas de ambos os países.

Contudo, o encontro depende da reação russa à proposta que os EUA enviarão na próxima semana e também da posição de Putin face a uma moção que será debatida no Parlamento russo e que prevê o reconhecimento da independência das regiões separatistas do Leste da Ucrânia.
Ver comentários