Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

ERC inicia contactos para formar governo na Catalunha

Republicanos prometem formar aliança de partidos separatistas, mas unir o partido de Puigdemont e o Podemos pode revelar-se missão impossível. Aliança com socialistas descartada.
Francisco J. Gonçalves 16 de Fevereiro de 2021 às 09:20
Aragonès iniciou contactos com partidos nacionalistas para formar executivo
Aragonès iniciou contactos com partidos nacionalistas para formar executivo FOTO: pau de la calle/nurphoto
A Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) iniciou já ontem os contactos para formar um novo governo regional. Valorizando o facto de o bloco separatista se ter confirmado maioritário após conclusão do escrutínio, o candidato da ERC, Pere Aragonès, mostrou total indiferença pelo Partido Socialista da Catalunha (PSC), o mais votado e maior força das que se opõem à independência, e garantiu que formará rapidamente uma coligação governativa unindo as forças independentistas.

“Nos próximos dias teremos de avançar nas conversações”, afirmou Aragonès, garantindo que o PSC não está nos planos, apesar de ter elegido 33 deputados, tantos como a ERC (embora com mais votos) e mais um que Juntos pela Catalunha (JxCat, do exilado Carles Puigdemont, ex-presidente do governo regional).

Contudo, a obtenção dos 68 deputados da maioria absoluta afigura-se complicada. O JxCat não quer partilhar uma coligação com o Em Comum Podemos (ECP, designação do Podemos na Catalunha), considerando que desvirtua a intenção separatista do governo. Por seu lado, o ECP condena o separatismo radical do JxCat. Quanto à ERC, prefere uma coligação a três, para diluir a influência de Puigdemont, que culpa pelo extremar do processo separatista, que acabou por ditar as condenações a penas de prisão dos líderes nacionalistas após o referendo ilegal de outubro de 2017. Daí que a força charneira volte a ser a CUP, partido extremista que elegeu 9 deputados e aceita entrar nas negociações.

Socialistas insistem em tentar investidura
O candidato do PSC à chefia do executivo catalão garantiu que vai avançar para a formação de um governo, mas não esclareceu como obterá apoios para o efeito. “Não me apresentarei à investidura de forma simbólica”, disse Salvador Illia, assegurando que liderará um “governo de mudança e diálogo”. Mas precisa de um compromisso improvável com a ERC, pois a maioria é impossível mesmo aliando a ECP (8 deputados) o Cidadãos (6) e PP (3 ), ainda que os radicais do Vox (11 deputados) entrassem nas contas.
Ver comentários