Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Erupção do vulcão em La Palma ‘cegou’ o maior telescópio do mundo

O GTC está fechado há 22 dias devido ao risco de cinza vulcânica danificar as lentes.
Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 16 de Outubro de 2021 às 12:39
A carregar o vídeo ...
Rio de lava do vulcão de La Palma arrasta blocos de magma do tamanho de prédio de três andares

O Gran Telescopio Canarias (GTC), aquele que é o maior telescópico do mundo nos alcances de luz ótica e infravermelha, está fechado há 22 dias devido à erupção do vulcão Cumbre Vieja. O equipamento, localizado no Observatório Roque de los Muchachos, precisamente na ilha de La Palma, em Espanha, pode mesmo estar em risco devido à acumulação de cinza vulcânica, que continua a cair um pouco por todas as ilhas das Canárias, à medida que o vulcão a expelir lava.

Segundo explica ao El País o astrofísico Romano Corradi, diretor do observatório "os riscos são óbvios": há sério perigo das cinzas e partículas minerais do vulcão poderem danificar as delicadas superfícies refletoras do telescópio (quer as lentes, quer os espelhos), assim como a própria estrutura. São "como lâminas" a cair sobre as superfícies refletoras, que são tão polidas que, se uma lente fosse do tamanho de toda a Península Ibéria, a única irregularidade que se notaria teria apenas alguns centímetros.

Com 41 metros, e colocado numa montanha com 2300 metros de altura, o telescópio é também a fonte de rendimento de muitos habitantes da ilha de La Palma, alguns que perderam tudo na destruição dos rios de lava. "Muitos dos meus 55 colegas estão a ser afetados diretamente por esta tragédia. Uns perderam a casa. Outros tiveram que fugir. Muitos procuraram abrigo na casa de familiares ou até no trabalho! Poem um colchão em qualquer lado e tentam refazer a vida", conta um dos funcionários do GTC.

Romano Corradi prevê que o observatório não volte a abrir ao público "tão cedo", até porque há muito trabalho de limpeza a fazer: todos os dias as cinzas cobrem toda a estrutura, tapam as janelas com o seu negro e chegam mesmo a fazer ‘pilha’ no interior.

O GTC foi inaugurado em 2009 e representou um investimento de 130 milhões de euros. Já fez algumas descobertas importantes, como a deteção de estrelas primitivas, essenciais para perceber os primeiros momentos do Universo.

Ver comentários