Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Estudo revela o que acontece se tomar uma dose da vacina da AstraZeneca e outra da Pfizer

Adultos estão mais propensos a ter efeitos secundários leves após a mistura de fármacos contra a Covid-19.
Correio da Manhã 13 de Maio de 2021 às 09:58
Vacina da Pfizer contra a Covid-19
Vacina AstraZeneca
AstraZeneca
Vacina contra a Covid-19
Vacina da Pfizer contra a Covid-19
Vacina AstraZeneca
AstraZeneca
Vacina contra a Covid-19
Vacina da Pfizer contra a Covid-19
Vacina AstraZeneca
AstraZeneca
Vacina contra a Covid-19

Os adultos estão mais propensos a ter efeitos secundários leves após a mistura de doses das vacinas AstraZeneca e Pfizer, indica um estudo da Universidade de Oxford.

Calafrios, dores de cabeça ou musculares, foram mais frequentemente registados em pessoas que tomaram fármacos contra a Covid-19 diferentes em cada dose.

O estudo Com-Cov foi lançado em fevereiro para descobrir se uma vacina diferente para a segunda dose pode dar imunidade mais duradoura, melhor proteção contra novas variantes, ou simplesmente permitir que a vacina seja trocada em caso de necessidades relacionadas com o fornecimento.

O estudo recrutou 830 voluntários com mais de 50 anos e os resultados finais deverão ser publicados em junho.

As informações preliminares foram publicadas na Lancet.

Um em dez voluntários que tomaram duas doses da AstraZeneca reportaram febre, mas caso tenham recebido uma dose de AstraZeneca e outra da Pfizer a proporção subiu cerca de 34%.

"As mesmas diferenças aplicam-se para outros sintomas tais como calafrios, fadiga, dores de cabeça e musculares", disse o professor Snape, investigador-chefe do estudo.

 

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Pfizer Covid-19 AstraZeneca Universidade de Oxford saúde questões sociais
Ver comentários