Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

FALSO MAFIOSO BURLOU EDITORA

Não foi a burla do século mas causou enormes prejuízos ao lesado, neste caso uma prestigiada editora norte-americana, ludibriada por um um homem que se fez passar por herdeiro do clã Gambino, da Máfia italiana, que lhe vendeu as “suas” memórias.
29 de Agosto de 2002 às 22:45
A história conta-se em poucas palavras. Um cidadão que disse ser Michael Gambino, neto do homem que inspirou o conhecido livro “O Padrinho” que, por sua vez, originou o não menos famoso filme homónimo, conseguiu extorquir meio milhão de euros à Simon & Schuster, uma das mais importantes editoras dos EUA, como adiantamento pelas supostas memórias da “sua” família mafiosa. Antevendo um estrondoso sucesso editorial - quem não gostaria de ver revelados os mais recônditos segredos da Máfia? -, os editores nem sequer pensaram duas vezes. E, se bem o pensaram, melhor o fizeram: toca de adiantar 500 mil euros pelo livro “The Honored Society” (O Clube Honrado), uma novela baseada nas vivências de um membro do clã de Carlo Gambino.

Todavia, volvido um ano, após uma campanha promocional altamente dispendiosa e que apresentava Gambino Júnior como “o mafioso mais importante nas revelações dos segredos da ‘cosa nostra’”, a “bomba” rebentou... Vergados à dura realidade, os editores admitiram ter sido vítimas do conto-do-vigário. Afinal, o homem, de Las Vegas, não era Gambino, mas Pellegrino, apelido apenas idêntico na última sílaba. Com efeito, o impostor, até então um vigarista de trazer por casa, não possuia qualquer laço familiar com a personagem das novelas de Mario Puzo.

Porventura nem o referido autor se lembraria de relatar semelhante acto mafioso... Até porque Pellegrino, que enganou ainda prestigiados órgãos de informação, narrava na sua “obra” uma “autêntica” vivência mafiosa, que incluia 12 anos passados na prisão. A lista dos delitos era (convenientemente) longa: assassinato, roubo, extorsão, sequestro, proxenetismo, apostas ilegais, falsificação de dinheiro. Entre muitos outros crimes de monta. Só faltou um...
Ver comentários