Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Homem desconhecido deita-se no chão para acalmar menino autista e evita crise de uma hora

Menino de cinco anos começou a ficar agitado após passeio à beira-mar. Rudy não queria voltar para o carro.
15 de Abril de 2021 às 11:45
Homem desconhecido deita-se no chão para acalmar menino autista
Homem desconhecido deita-se no chão para acalmar menino autista
Homem desconhecido deita-se no chão para acalmar menino autista
Homem desconhecido deita-se no chão para acalmar menino autista
Homem desconhecido deita-se no chão para acalmar menino autista
Homem desconhecido deita-se no chão para acalmar menino autista
Natalie Fernando é mãe de Rudy, um menino autista de cinco anos. Habitualmente costuma fazer caminhadas à beira-mar com a filha, duas enteadas e com o menino em Southend, Essex, uma vez que este adora o mar.

O passeio costuma, no entanto, apresentar alguns desafios visto que a criança, no final da caminhada recusa-se a voltar para o carro. "Normalmente tentamos caminhar num circuito específico para evitar isto, mas uma das suas caminhada favorita onde se vê os barcos não temos escolha a não ser voltar para trás, isso muitas vezes leva a um colapso, que normalmente consigo lidar, mas ao fim de duas semanas fora da escola, hoje foi demais para ele e para mim ", explicou.

O menino, que não entende na totalidade porque não pode ir à escola e porque tem de permanecer em casa, começou a ficar muito agitado e deitou-se no chão recusando-se a sair dali. 

A mãe explica que muitas pessoas passaram e olharam com ar de desaprovação, mas houve um homem que a surpreendeu e Natalie decidiu elogiá-lo numa publicação no Facebook que conta já com milhares de partilhas. 

Ao ver a situação, e após uma breve explicação da mãe da criança, Ian decidiu deitar-se no chão com a criança e perder tempo a falar com ele para o acalmar. Rudy eventualmente acabou por se levantar e começaram a caminhar enquanto conversavam em direção ao carro e Ian evitou aquilo que a mãe apelida de "uma crise" que pode muitas durar uma hora.

"Este homem, o meu herói desta manhã, viu o meu filho no chão e como qualquer outra pessoa poderia supor que ele estava a ter um acesso de raiva", começa por explicar. Mas não foi isso que Ian fez: "Ele perguntou ao meu pequeno Roo qual era o seu nome e quando eu expliquei que ele realmente não entendia e que é autista. Que tem uma série de outros desafios que tornam esta parte da caminhada difícil. Ele disse, tudo bem, vou-me deitar com ele", continua.

A mãe elogia ainda a atitude do homem e afirma que não podia estar mais grata: "
Muito se fala que 'num mundo onde você pode ser qualquer coisa, seja gentil'. As palavras são fáceis, mas essas ações nem sempre são tão fáceis. Este homem está vivendo as palavras e eu não poderia estar mais grato", conclui. 

Natalie afirma que nem sempre é fácil lidar com os olhares de reprovação que recebe muitos vezes pelo comportamento do seu pequeno Roo e acrescenta que, por conta disso, chegou a estar dois meses em casa. A mulher assume-se feliz pelo feedback positivo recebido e pede mais compreensão pelos pais sem julgamentos.

Natalie Fernando Roo Southend Rudy Essex Ian questões sociais saúde política grupos populacionais doenças
Ver comentários