Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Húngaros protestam contra alteração à lei do aborto

Alguns vêm emenda como "um primeiro passo para dificultar o acesso ao procedimento".
Reuters 28 de Setembro de 2022 às 19:18
Aborto; Hungria; manifestação
Aborto; Hungria; manifestação FOTO: Reuters
Mais de mil pessoas reuniram-se à porta do parlamento húngaro, esta quarta-feira, para protestar contra uma emenda à lei do aborto, que alguns vêm como "um primeiro passo para dificultar o acesso ao procedimento".

O governo do primeiro ministro conservador, Viktor Orban, apresentou uma emenda à lei do aborto e dita que as mulheres grávidas devem apresentar provas, do seu médico, se existe sinal de vida, como o batimento cardíaco de um feto, antes de solicitarem o procedimento.

Os manifestantes ergueram cartazes onde se lia "Afasta-te do meu útero" e "Limitar o aborto é violência contra as mulheres".

"Apenas as mulheres têm o direito de interromper ou não a sua gravidez", disse à Reuters a protestante Lilli Mizda-Pillinger.

O governo não deu qualquer razão para a emenda, desde que foi apresentada pela primeira vez.

Atualmente a lei permite às mulheres húngaras solicitar um aborto em casos de violação, quando há riscos para a saúde da mãe, decorrentes da gravidez, quando existe uma deficiência grave do feto ou em caso de crise pessoal grave.

"Trata-se de controlar e oprimir as mulheres", disse Krisztina Les, da organização Patent, que defende os direitos da mulher.
questões sociais aborto crime lei e justiça leis
Ver comentários