Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Índia vive a pior onda da pandemia. Sem camas, doentes são recusados e só são internados com carta de referência

País anunciou hoje mais de dois mil mortos com covid-19 e quase 300 mil casos em 24 horas, um recorde nacional e um dos mais altos números diários do mundo.
Lusa 21 de Abril de 2021 às 08:34
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
Índia vive a pior onda da pandemia
A Índia anunciou esta quarta-feira mais de dois mil mortos com covid-19 e quase 300 mil casos em 24 horas, um recorde nacional e um dos mais altos números diários do mundo desde o início da pandemia.

O Ministério da Saúde assinalou 2.023 óbitos e 295 mil novos casos, elevando o total de mortes para 182.553 e de infetados para 15,6 milhões. O país vive agora a pior onda da pandemia desde 2020 e debate-se com a falta de cama e falta de testes. 

A situação passou de "má a catastrófica" como referem os jornais locais e há doentes que não são internados porque não têm "carta de referência do escritório do médico chefe". Sushil Kumar Srivastava é um dos pacientes infetados com Covid-19 que se viu sem ajuda médica por conta do excesso de burocracia e falta de camas nos hospitais. 

Quando a sua condição de saúde piorou, a família colocou o homem de 70 anos num carro e levou-o a um hospital na capital do estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, onde testou positivo para coronavírus. Foi recusado pelo hospital privado por não ter camas vagas. O filho Ashish trouxe dois cilindros de oxigénio e levou o pai em busca por um hospital que pudesse interná-lo.

"Todos os hospitais pediram uma carta de referência do escritório do médico chefe (CMO)", disse Ashish, referindo-se ao oficial de saúde da cidade de cerca de 3,5 milhões de pessoas.

No escritório, Ashish disse que ninguém o ajudou. "Fui enxotado pela polícia", disse, quando tentou encontrar o médico em questão.

Três dias depois, Ashish disse que alguém do governo lhe ligou para oferecer uma cama para o pai, mas Srivastava tinha morrido no dia anterior numa clínica particular.

A situação da família reflete o agravamento da crise do Covid-19 em Uttar Pradesh, onde as pessoas lutam contra a burocracia juntamente com a doença.

Há mais de 22 mil casos positivos por dia e o governo indiano está já a transformar hospitais inteiros em unidades Covid, como avança a agência Reuters. 

Índia Sushil Kumar Srivastava Covid-19 Ashish saúde questões sociais hospitais doenças
Ver comentários