Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Marilyn Manson investigado por abusos e tortura

Autoridades confirmam processos por violência doméstica.
Bianca Pereira 21 de Fevereiro de 2021 às 09:15
Marilyn Manson, músico norte-americano
Marilyn Manson tem estado, desde o início do mês de fevereiro, no centro de um furacão de acusações
Marilyn Manson, músico norte-americano
Marilyn Manson, músico norte-americano
Marilyn Manson tem estado, desde o início do mês de fevereiro, no centro de um furacão de acusações
Marilyn Manson, músico norte-americano
Marilyn Manson, músico norte-americano
Marilyn Manson tem estado, desde o início do mês de fevereiro, no centro de um furacão de acusações
Marilyn Manson, músico norte-americano

O músico norte-americano Marilyn Manson está a ser investigado por casos de violência doméstica, alegadamente ocorridos há 10 anos, afirmou o Departamento de Polícia do Condado de Los Angeles, na sexta-feira. Depois de ter sido acusado de abuso sexual, tortura e manipulação pela ex-noiva, a atriz Evan Rachel Wood, bem como por outros colaboradores , o artista vai ser agora oficialmente investigado pelas autoridades.

No comunicado, a polícia garante que se vai focar nas acusações feitas a Marilyn Manson, cujo verdadeiro nome é Brian Warner, por incidentes que tiveram lugar entre 2009 e 2011, quando o artista vivia em West Hollywood.

As investigações começaram após as graves denúncias - por parte de mulheres e não só - que confirmaram a má conduta de Manson. A acrescentar à lista de acusações, está uma tentativa de homicídio pela estilista Love Bailey, quando esta tinha apenas 20 anos.

No entanto, as queixas não se ficam por aqui. A cantora Phoebe Bridgers relatou que, na adolescência, visitou a casa do artista e que este lhe mostrou uma divisão que apelidou como o "quarto da violação".

Já o guitarrista dos Limp Bizkit, Wes Borland, que atuou com o músico durante nove meses, confirmou todas as acusações: "Ele é mesmo mau, e tudo o que disseram é verdade. É incrivelmente talentoso, mas é doente."

Depois destas denúncias, o cantor foi dispensado da editora que o representava e pela agência CAA, de Hollywood.

Ver comentários