Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

"Não fazemos ideia do que está dentro de um buraco negro": Andrea Ghez é uma das vencedoras do Nobel da Física

Física e astrónoma norte-americana recebeu o prémio ex-aequo com Reinhard Genzel.
Lusa 6 de Outubro de 2020 às 13:45
Andrea Ghez
Andrea Ghez FOTO: Reuters
A laureada com o prémio Nobel da Física deste ano Andrea Ghez admitiu esta terça-feira que nenhum cientista sabe exatamente o que se passa dentro de um buraco negro, daí o fascínio da ciência por eles.

"Não sabemos. Não fazemos ideia do que está dentro de um buraco negro. É isso que faz deles objetos tão exóticos, tão intrigantes. Eles representam o colapso do nosso entendimento das leis da Física", afirmou a física e astrónoma norte-americana ao telefone, em direto com jornalistas na cerimónia do anúncio do prémio.

Andrea Ghez recebeu o prémio ex-aequo com Reinhard Genzel, com quem descobriu a existência de um buraco negro supermassivo no centro da galáxia. A Academia Sueca atribuiu também o Nobel da Física deste ano ao matemático Roger Penrose, também por descobertas sobre buracos negros.

Questionada sobre o facto de ser a quarta mulher a receber o Nobel da Física, Andrea Ghez afirmou esperar que "inspire outras jovens mulheres a seguir a área", salientando que a "perceber a realidade do mundo físico é crucial para os seres humanos".

O membro do comité do Nobel Ulf Danielson disse aos jornalistas que "Reinhard Genzel e Andrea Ghez provaram que os buracos negros existem", um trabalho desenvolvido ao longo de décadas.

Fizeram-no usando equipamento muito sofisticado, com o qual "monitorizaram estrelas em órbita de algo que não conseguiam ver".

No entanto, frisou que o caminho já tinha sido aberto por Roger Penrose, que a partir de meados da década de 1960 "lançou as bases teóricas que permitiram dizer que estes objetos existem e que podem ser encontrados se se for à procura deles".

"Antes de Penrose, isso estava longe de ser claro. Ele compreendeu a matemática e introduziu ferramentas novas que permitiram provar o processo através do qual [os buracos negros] ocorrem naturalmente", descreveu.

Até lá, com inspiração na teoria geral da relatividade do físico Albert Einstein, "pensava-se que seriam apenas artefactos matemáticos que não se podiam formar na realidade".

"O nosso entendimento atual dos buracos negros é que são regiões no espaço com uma gravidade tão forte que nem a luz consegue escapar-lhe", resumiu.

A teoria geral da relatividade, aplicada aos buracos negros, prevê que quando se atinge o seu limite -- o horizonte de um buraco negro -- o tempo e o espaço ficam distorcidos ao ponto de o tempo, a que normalmente "não se consegue escapar, nem fazer voltar para trás", passa a mover-se inexoravelmente para o centro do buraco negro.

"É tão difícil sair de um buraco negro como voltar atrás no tempo", disse Ulf Danielson.

Andrea Ghez Roger Penrose Nobel Física Reinhard Genzel Ulf Danielson ciência e tecnologia questões sociais
Ver comentários