Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Nasceram os primeiros diabos-da-tasmânia em estado selvagem. Há 3 mil anos que não acontecia

Crias são a esperança da espécie que chegou a estar em vias de extinção.
Correio da Manhã 26 de Maio de 2021 às 17:20
Diabos da Tasmânia
Diabos da Tasmânia
Diabos da Tasmânia
Diabos da Tasmânia
Diabos da Tasmânia
Diabos da Tasmânia
Diabos da Tasmânia
Diabos da Tasmânia
Diabos da Tasmânia
Nasceram os primeiros diabos-da-Tasmânia três mil anos depois do último nascimento em estado selvagem. São sete os recém-nascidos na Austrália e são a esperança da espécie, que chegou a estar em vias de extinção, em sustentar uma nova criação. 

Estes animais voltaram à vida selvagem em 2020, três mil anos depois. Os grupos de conservação recordavam, na altura da devolução dos animais à natureza, que este era um processo histórico de reintegração da espécie que estava desaparecida no continente australiano. 11 animais foram libertados num santuário de vida selvagem no Parque Nacional Barrington Top, norte de Sidney, e agora dão as primeiras boas notícias ao mundo com o nascimento de sete novos diabos-da-Tasmânia.

Estes 11 juntavam-se na altura a outros 15 quue tinham sido libertados em março de 2020 totalizando assim 26 diabos da Tasmânia em vida selvagem. Agora são 32 com as sete novas 'aquisições'.

Aussie Ark, um projeto de preservação animal localizado perto de Barrington Tops de New South Wales, Austrália, vigia estes animais através de aparelhos de localização e câmeras de vigilância para perceber se se estão a adaptar ao novo meio. 

O objetivo do projeto é que a espécie volte ao continente australiano. 

Os diabos-da-Tasmânia sofreram com uma doença em 1996, uma espécie de tumor facial, que erradicou 90% da espécie, daí o desaparecimento destes animais da Austrália. Restaram menos de 25 mil no total que foram recolhidos para manter a conservação da espécie. A devolução à vida selvagem e o nascimento de sete novas crias dá assim esperança de que a espécie volte a preencher o continente australiano e a restaurar a ecologia das florestas australianas que foram devastadas por raposas, gatos e outros predadores invasivos.
Austrália Tasmânia interesse humano animais questões sociais ambiente
Ver comentários