Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Nem máscara, nem distanciamento: Reino Unido realiza primeiro festival de música sem restrições

Para poderem entrar no festival, aos 40 mil espectadores esperado é exigido teste negativo à Covid-19 ou comprovativo de vacinação.
Lusa 23 de Julho de 2021 às 23:21
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Latitude Festival
Milhares de pessoas estão desde quinta-feira em Henham Park, no sudeste do Reino Unido, a participarem no festival de música Latitude, o primeiro a acontecer sem restrições em tempo de pandemia.

No recinto ao ar livre, no condado de Suffolk, estão montadas centenas de tendas de campismo para os espectadores que esgotaram a edição deste ano do Festival Latitude, depois de ter sido cancelado em 2020 por causa da covid-19.

Segundo a BBC, a expetativa é de 40.000 espectadores em cada um dos quatro dias do festival, que é apresentado como um evento-piloto depois de o governo britânico ter levantado as principais restrições associadas à covid-19.

Significa que no festival não há distanciamento social nem uso obrigatório de máscaras, mas será feita uma avaliação aos riscos associados, escreve a BBC.

Para poderem entrar no festival, aos espectadores é exigido teste negativo à covid-19 ou comprovativo de vacinação.

O New Music Express noticia que à entrada do recinto é possível fazer testes rápidos e que durante o fim de semana haverá um posto médico móvel de vacinação para quem precisar, e estiver apto, a tomar a segunda dose de inoculação.

O festival conta com nomes como Wolf Alice, Chemical Brothers, Damon Albarn e Bastille, mas alguns dos confirmados do cartaz tiveram de cancelar por terem contraído covid-19, nomeadamente a cantora Arlo Parks e os Fontaines DC.

A maioria dos grandes festivais de música foram adiados ou cancelados, a nível global, por causa da pandemia da covid-19.

Em Portugal, o verão de 2020 também decorreu sem os festivais de música, com a associação do setor a estimar uma perda de cerca de 1,6 mil milhões de euros, e este ano, a maioria dos eventos de grande escala voltou a ser adiada por causa das restrições para limitar a propagação do vírus, pela situação pandémica noutros países, pelos diferenciados ritmos de vacinação e pela falta de clarificação das regras de realização deste tipo de eventos.

Entre abril e maio foram realizados quatro eventos-piloto em Braga, Coimbra e Lisboa, com plateia sentada e em pé, e com a realização prévia de testes de diagnóstico, gratuitos, aos espectadores, em colaboração com a Cruz Vermelha Portuguesa.

O objetivo destes eventos era definir, segundo o Governo, "novas orientações técnicas e a realização de testes de diagnóstico de SARS-CoV-2 para a realização de espetáculos e festivais", mas ainda não são conhecidos os resultados destas iniciativas.

Ver comentários