Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

O actual governo foi forjado por Nino

Carlos Gomes Júnior, líder do PAIGC (partido africano da independência da Guiné e Cabo Verde), maior partido da oposição guineense, tece duras críticas ao presidente ‘Nino’ Vieira. Em declarações ao CM, a partir de Bissau, Carlos Gomes Júnior responsabiliza o presidente da República pela actual crise e exige a devolução do governo ao PAIGC.
10 de Dezembro de 2006 às 00:00
Carlos Gomes Júnior critica o presidente ‘Nino’ Vieira
Carlos Gomes Júnior critica o presidente ‘Nino’ Vieira FOTO: Vítor Mota
Correio da Manhã – O PAIGC culpa o presidente ‘Nino’ Vieira pela crise que o país atravessa. Porquê?
Carlos Gomes Júnior – Porque o actual governo de Aristides Gomes é inconstitucional e não foi sufragado nas urnas. O presidente da República é seu mentor e quem o suporta. Mas foi o PAIGC quem venceu as eleições legislativas de Março de 2004. Só que a 28 de Outubro de 2005, 28 dias após ser empossado como chefe de Estado, ‘Nino’ Vieira exonerou o meu governo, alegando incompatibilidade institucional. Depois conferiu posse ao actual executivo formado por dissidentes do PAIGC e pelos partidos da Renovação Social e Unido Social-Democrata que formaram o Fórum de Convergência para o Desenvolvimento. O actual executivo só tem feito asneiras. A recente mesa-redonda de Genebra foi um fracasso; as aulas ainda não começaram; o sector da saúde está doente; a campanha de comercialização da castanha de caju é um desastre e há denúncias de corrupção em departamentos estatais, nomeadamente nas Pescas. Portanto, ‘Nino’ Vieira está a conduzir o país para o abismo.
– Perante toda essa situação, o que pensa fazer o PAIGC?
– O PAIGC é um partido que está implementado na sociedade, temos responsabilidades acrescidas na vida do povo guineense. Somos um partido libertador que deu a independência ao país, não podemos fugir das nossas responsabilidades. O actual governo foi forjado por ‘Nino’ Vieira. Não o podemos aceitar porque vencemos as últimas legislativas. Como é que a comunidade internacional aceita o actual governo que não saiu das urnas? Vamos lutar até que o chefe de Estado reponha a legalidade institucional. O presidente deve devolver ao PAIGC a governação. É desnecessária a realização de eleições legislativas antecipadas. Defendemos a criação de um governo de consenso, porque a actual situação no país é muito grave.
– E se o presidente ‘Nino’ Vieira não devolver o governo ao seu partido?
– O presidente assumirá as suas responsabilidades. Temos legitimidade para desencadear todas as formas de luta no contexto democrático, não através da violência nem das forças das armas. O PAIGC é um partido grande. Temos um milhão e 300 mil habitantes, mas só o PAIGC tem mais de 450 mil militantes. Isto significa muita coisa...
PERFIL
Carlos Gomes Júnior, de 57 anos, ingressou no PAIGC nos anos 80. Em Fevereiro de 2002, foi eleito presidente do PAIGC, tendo conduzido o partido à vitória nas legislativas de Março de 2004. Foi primeiro-ministro entre Maio de 2004 e Novembro de 2005, tendo sido demitido por ‘Nino’ Vieira por “incompatibilidade institucional”.
Ver comentários