Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

OMC pede "caminho sustentável" para recuperação económica em contexto de Covid-19

Diferença de acesso a vacinas levou a que as "partes do mundo que têm acesso recuperem muito mais rapidamente porque as suas economias podem abrir mais rapidamente".
Lusa 26 de Julho de 2021 às 20:33
China ultrapassou os EUA e já é a maior potência comercial do mundo
China ultrapassou os EUA e já é a maior potência comercial do mundo FOTO: REUTERS/Alex Lee
A diretora-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) afirmou esta segunda-feira que é necessário que os países de África, América Latina e Médio Oriente se coloquem "num caminho sustentável" para a recuperação económica após a pandemia de Covid-19, sublinhando a importância das vacinas.

"Se olharmos para a recuperação a nível mundial, a América do Norte, Europa e Ásia estão a recuperar muito mais rapidamente que África, América Latina e Médio Oriente", assinalou Ngozi Okonjo-Iweala num seminário virtual organizado pela Comissão Económica das Nações Unidas para África (ECA).

"Precisamos de nos colocar num caminho sustentável", reforçou a economista nigeriana.

Segundo a diretora geral da OMC, que referiu o observado pela organização e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), a diferença de acesso a vacinas levou a que as "partes do mundo que têm acesso recuperem muito mais rapidamente porque as suas economias podem abrir mais rapidamente".

Da mesma forma, Okonjo-Iweala assinalou que alguns países estabeleceram pacotes de estímulo para as suas economias fundamentais, com "muitos deles a garantirem até 25% do seu PIB [produto interno bruto]".

"Precisamos de arranjar uma forma de garantir um acesso adequado às vacinas nos nossos países", sublinhou a diretora-geral.

Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, reiterou que "África é uma prioridade para a administração [do Presidente Joe] Biden" e que Washington está "comprometida com os países africanos como parceiros para alcançar interesses comuns", como "segurança, saúde, liberdade, democracia e prosperidade".

"Os Estados Unidos da América estão comprometidos em levar a mesma urgência aos esforços de vacinação internacionais que a que demonstrámos em nossa casa", sublinhou.

A diplomata norte-americana assinalou também que é necessário apostar nos jovens em África, continente que tem uma média de idades de 19 anos.

"Se nós não nos focarmos nos jovens que têm o espírito empreendedor (...), vamos acabar por perder o continente, por isso precisamos de ampliar o espírito empreendedor e o dinamismo das mulheres e dos jovens em África para ajudar na criação de postos de trabalho e de oportunidades que sabemos que lhes irão permitir investir nos seus países e nos seus futuros", defendeu Thomas-Greenfield.

A embaixadora norte-americana e a secretária-executiva da ECA abordaram a importância da diáspora africana, com a diplomata a considerar que esta pode ser fundamental para a economia dos países de origem.

De acordo com os dados mais recentes do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana, o continente conta mais de 6,47 milhões de casos desde o início da pandemia, incluindo mais de 164 mil mortes.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 4.163.235 mortos em todo o mundo, entre mais de 194,1 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários