Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Polícia investiga vida de milionário morto pelo filho de 14 anos no Brasil

Empresário baleado pelo filho de 14 anos ostentava vida de luxo mas tinhas vários processos por dívidas.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 6 de Agosto de 2021 às 08:24
Empresário foi morto no condomínio de luxo da família
Fabrício Oliveira era um dos homens mais ricos do Brasil
Empresário foi morto no condomínio de luxo da família
Fabrício Oliveira era um dos homens mais ricos do Brasil
Empresário foi morto no condomínio de luxo da família
Fabrício Oliveira era um dos homens mais ricos do Brasil
A polícia brasileira vai investigar a fundo a vida do empresário Fabrício César de Oliveira, morto terça-feira a tiro pelo próprio filho, de 14 anos, para proteger a mãe, e que ostentava uma imensa fortuna de origem duvidosa. Na mansão onde vivia, em Valinhos, a 90 km de São Paulo, a polícia apreendeu vários carros de luxo e armas de guerra.

Entre as bombas que o empresário fazia questão de exibir estão um McLaren, um Maserati e um Lamborghini, entre outros. A polícia também apreendeu oito armas que Fabrício tinha em casa, entre elas um fuzil militar, uma submetralhadora, uma espingarda e várias pistolas automáticas.

A polícia desconfia ainda da verdadeira identidade do empresário, que há alguns anos trocou de nome após ser condenado por burla, e em cuja casa foram encontrados diversos bilhetes de identidade com a foto dele mas com nomes diferentes.

Não obstante a exibição de riqueza e de se apresentar nas redes sociais como “comendador” e “milionário a caminho de ser bilionário”, Fabrício enfrentava vários processos por dívidas. Até o principal grupo empresarial que comandava, e em cujo sítio na internet diz dominar o mercado de som automóvel no Brasil, parece estranho, pois tem sede no Paraguai e as fábricas são na China. O filho, que ficou a aguardar o processo em liberdade, e a mulher também disseram à polícia que não sabiam quase nada sobre a vida do empresário, que sujeitava a família a agressões e ameaças constantes.
Brasil Fabrício César de Oliveira São Paulo Valinhos questões sociais crime lei e justiça crime polícia
Ver comentários