Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Polícia portuguesa prende ex-soldado espanhol que espiou Julian Assange, fundador do WikiLeaks

David Morales, dono da empresa de segurança que espiou Assange em Londres, encaminhava-se para Lisboa com outras duas pessoas sem ter autorização judicial.
Iúri Martins(iurimartins@cmjornal.pt) 25 de Abril de 2021 às 14:58
Julian Assange
Julian Assange
Julian Assange
Julian Assange
Julian Assange
Julian Assange
As autoridades portuguesas intercetaram e prenderam, no passado dia 8 de março, David Morales, o dono da empresa de segurança que espiou Julian Assange - fundador do Wikileaks. Morales já tinha abandonado Espanha e foi intercetado em Castro Marim, no Algarve. Seguia num carro com mais duas pessoas e tinha Lisboa como destino, segundo avança o jornal espanhol El Mundo.

A polícia portuguesa alertou as autoridades espanholas visto que David Morales está proibido de se ausentar do território vizinho, medida decretada pelo Tribunal Nacional. O ex-militar e diretor da empresa UC Global, SL foi então reencaminhado de volta para Espanha.

Morales garantiu, em sua defesa, que estava apenas a transportar alguns clientes até à fronteira com Portugal em Ayamonte para que daí conseguissem apanhar um táxi até Lisboa, versão que foi considerada pouco credível visto que acabou por ser apanhado pela polícia portuguesa em Castro Marim. O ex-militar espanhol incorre agora num crime por eventual prática de violação de medida cautelar.

David Morales será esta segunda-feira levado a tribunal para justificar o facto de ter violado a medida restritiva que o obrigava a manter-se em território espanhol.

Recorde-se que David Morales foi detido em setembro de 2019 após ter ordenado a realização de escutas às conversas de Julian Assange com os advogados, conseguindo recolher informações sobre os seus planos de estratégia de defesa. Está ainda por explicar quem terá ordenado este trabalho à empresa de Morales, mas os Estados Unidos são um dos principais suspeitos no caso, visto que os EUA exigiram já a extradição de Assange por alegadamente ter cometido vários crimes contra a segurança nacional do País.

Segundo o El Mundo, o juiz José de la Mata, do Tribunal Nacional, acabou por tratar o caso como uma invasão de privacidade e retirou o passaporte ao antigo militar. Morales é acusado de instalar microfones ocultos [e outros meios...] na Embaixada do Equador em Londres, para recolher informações de Assange.

EUA querem julgar Assange
Os EUA querem julgar Assange por 17 crimes de espionagem e intromissão informática que podem valer 175 anos de cadeia. O fundador do WikiLeaks é procurado pela Justiça americana desde 2010 por publicar documentos secretos, muitos deles revelando crimes dos EUA no Iraque e no Afeganistão.

A Justiça britânica rejeitou o pedido de extradição de Julian Assange para os EUA. O Tribunal Penal Central de Londres, ou Old Bailey, baseou a decisão na preocupação com a saúde mental do mais mediático dos fundadores do WikiLeaks. Os EUA vão recorrer da sentença.
Ver comentários