Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Lula vence presidenciais do Brasil mas falha vitória à primeira volta

Candidato do PT derrota atual presidente Jair Bolsonaro e adia decisão para 30 de outubro.
Correio da Manhã 2 de Outubro de 2022 às 21:12
A carregar o vídeo ...
Lula vence presidenciais do Brasil mas falha vitória à primeira volta

Luiz Inácio Lula da Silva derrotou Jair Bolsonaro e venceu as eleições presidenciais brasileiras, realizadas este domingo.

O candidato do PT somava 48,43% dos votos quando estavam apurados 99,9% do total eleitoral.
O atual presidente, Jair Bolsonaro, ficou-se pelo segundo lugar com 43,20% do total da votação.

Com este resultado Lula da Silva falha a eleição à primeira volta e adia para 30 de outubro a disputa pelo lugar no Palácio do Planalto, em Brasília.

O candidato do Partido Trabalhador venceu em 14 estados, dominando o nordeste do país. Bahia, Pernambuco, Ceará, Amazonas, Pará, Amapá, Maranhão, Tocantins, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba e Alagoas foram os estados em que o povo brasileiro concedeu a vitória a Lula da Silva. 

No entanto, dos três maiores estados do país, o ex-presidente apenas conseguiu a vitória em Minas Gerais. Bolsonaro levou a melhor em São Paulo e Rio de Janeiro. 

O atual presidente do Brasil, venceu em 12 estados. A região centro-oeste e todos os estados da região sul foram dominados pelo PL de Jair Bolsonaro, registando-se em Mato Grosso a vitória mais expressiva, com 59,8% contra 39,4% de Lula. O Distrito Federal e os estados de Espírito Santo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná também fizeram parte dos locais em que o candidato se sagrou vencedor. 

Nestas eleições, a chamada terceira via política brasileira, encabeçada nomeadamente por Simone Tebet, não será alternativa (alcança 4,17% dos votos), enquanto Ciro Gomes sofre uma pesada derrota face às anteriores presidenciais e recolhe agora apenas 3% dos votantes.

O Brasil continuará assim polarizado entre Lula e Bolsonaro.

"Uma prorrogação", diz Lula

No discurso de vitória perante apoiantes, realizado num hotel de São Paulo, Lula da Silva afirmou que a ida à segunda volta "é apenas uma prorrogação".

O candidato vitorioso da noite eleitoral reafirmou que "a luta continua, até a vitória final" e que nunca ganhou eleições à primeira volta: "O importante é construir um leque de alianças. Isso para nós é apenas uma prorrogação", disse Lula que prometeu "voltar a fazer campanha" já esta segunda-feira tendo em vista as eleições do final do mês.

Bolsonaro: "mudança para pior"

Jair Bolsonaro, na primeira declaração após a derrota, afirmou ver um sentimento de mudança no Brasil, mas referiu que "mudanças podem vir para pior".

O candidato derrotado disse entender que "tem muito voto que foi pela condição do povo brasileiro, que sentiu o aumento dos produtos. Em especial, da cesta básica. Entendo que há uma vontade de mudar por parte da população, mas tem certas mudanças que podem vir para pior", disse Bolsonaro

Vitória anunciada

O ato eleitoral encerrou às 17h00 de Brasília (21h00 em Portugal continental) embora as pessoas que ainda estavam em filas de votação puderam exercer o seu direito. Foi o que aconteceu no Rio de Janeiro e em São Paulo onde os resultados atrasaram bastante devido a votação tardia.

A vitória de Lula, que presidiu ao Brasil entre 2003 e 2011, não foi surpresa já que todas as sondagens davam ao líder histórico do Partido dos Trabalhadores e ex-sindicalista vantagem confortável sobre Bolsonaro. Algumas garantiam até a sua eleição à primeira volta, o que não se confirmou.

Campanha em tensão

Estas eleições, além de escolherem o novo presidente do Brasil foram também um teste à democracia do país.

A campanha decorreu num clima de tensão política intensa sobretudo entre Lula da Silva e Jair Bolsonaro.
Fora da esfera política, o Ministério da Justiça e Segurança Pública do Brasil divulgou que foram registados 920 crimes eleitorais em todo o país, neste domingo de eleições.

Segundo o portal de notícias brasileiro G1, o número inclui "310 sondagens à boca de urna; 60 casos de transporte ilegal de eleitores e 55 violações do sigilo de voto". No total, mais de 156 milhões de brasileiros estiveram a votar nas eleições presidenciais deste ano e o Código Eleitoral proibiu candidatos, órgãos partidários e qualquer pessoa de fornecer transporte ou refeições aos eleitores.

O Tribunal Superior Eleitoral brasileiro revelou que o objetivo era impedir a captação ilegal de votos. "Também constitui crime eleitoral a compra de votos e impedir ou atrapalhar outra pessoa de votar. Em caso de comprovação, o autor do crime poderá ser condenado a até seis meses de prisão", refere o G1.

Lula vence em Portugal

Em Portugal, com a maioria dos votos dos brasileiros que participaram no ato eleitoral contados, Lula da Silva, candidato do PT, venceu em Lisboa, o maior círculo eleitoral fora do Brasil, no Porto e também em Faro.

O candidato do PT conseguiu 10.873 votos em Lisboa, 60,90% do total e quase o dobro dos que conseguiu Bolsonaro, o atual Presidente do Brasil, que reuniu 5561 votos (31,15%), refere o jornal Público.
Na capital portuguesa, Ciro Gomes ficou em terceiro lugar, com 3,85% dos votos, à frente de Simone Tebet, que conquistou 2,97%.

No Porto, o apuramento dos votos é de 94,87% e Lula da Silva venceu com 60,48% dos votos (8471 votos, no total), seguido de Bolsonaro, com 30,03% (4206). Os números são do Tribunal Superior Eleitoral.
Com 100% dos votos apurados em Faro, Lula venceu com 49,13% dos votos (873 votos, no total), seguido de Bolsonaro com 41,08% (730 votos).

Brasil eleições no Brasil mundo Lula da Silva Lula Bolsonaro Jair Bolsonaro
Ver comentários