Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Prisão perpétua para milionário norte-americano que assassinou melhor amiga

Na sentença é considerado um psicopata narcisista e terá matado também a mulher.
Manuela Guerreiro 16 de Outubro de 2021 às 09:52
Robert Durst, de 78 anos, revelou uma aparência debilitada
Susan Berman, de 55 anos, morreu com um tiro na cabeça
Robert Durst, de 78 anos, revelou uma aparência debilitada
Susan Berman, de 55 anos, morreu com um tiro na cabeça
Robert Durst, de 78 anos, revelou uma aparência debilitada
Susan Berman, de 55 anos, morreu com um tiro na cabeça
O milionário norte-americano do setor imobiliário Robert Durst, de 78 anos, foi condenado a prisão perpétua, sem possibilidade de liberdade condicional, pelo assassinato da melhor amiga. O tribunal considerou que Durst matou Susan Berman, em 2000, para a impedir de falar com a polícia sobre o desaparecimento suspeito da sua própria mulher, Kathleen McCormack. Susan, de 55 anos, foi encontrada com um tiro na cabeça em casa, em Beverly Hills. A polícia acredita que o milionário é responsável pela morte de mais duas pessoas, uma das quais Kathleen, que desapareceu em 1982.

Robert Durst, que surgiu em tribunal aparentando alguma debilidade - de cadeira de rodas, uniforme da prisão e barba por fazer - muito provavelmente morrerá na prisão.

O julgamento decorreu seis anos após a confissão involuntária de Durst durante uma entrevista para o documentário ‘The Jinx’, da HBO. O milionário terá deixado o microfone ligado quando foi à casa de banho e desabafou: “Que diabos fiz eu? Matei-os a todos, claro.”A exibição do documentário, em 2015, terá sido determinante para a resolução do crime. Os procuradores que acusaram Robert Durst chamaram-lhe “psicopata narcisista”.

Susan Berman escrevia policiais e era filha de um mafioso de Las Vegas. Foi porta-voz de Durst quando ele se tornou suspeito do desaparecimento da mulher.
Ver comentários