Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Sete sem-abrigo morrem de frio durante madrugada em São Paulo, Brasil

Todas as vítimas morreram enquanto dormiam deitadas no chão.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 1 de Julho de 2021 às 03:33
Frio
Frio FOTO: Getty Images

Sete sem-abrigo morreram de frio em São Paulo durante a madrugada desta quarta-feira, uma das noites mais geladas em muitos anos naquela cidade brasileira. A informação foi avançada pelo Movimento de Moradores em Situação de Rua, uma organização não governamental que representa pessoas que vivem nas ruas da maior cidade do Brasil.

Na madrugada mais fria de um Inverno paulista em muitos anos, a temperatura média na maior parte dos bairros foi de cinco graus positivos, mas em alguns periodos baixou ainda mais. Em Engenheiro Marcilac, bairro no extremo sul da cidade, os termómetros oficiais do município chegaram a baixar até aos 0,1 graus.

A maior parte das mortes ocorreu na região central de São Paulo, onde se concentra o maior número de sem-abrigo. Três pessoas morreram na Praça da Sé, uma na Baixada do Glicério, ali perto, uma outra na Avenida Tiradentes, também no centro, e duas na Barra Funda, zona oeste.

Todas as vítimas morreram enquanto dormiam deitadas no chão, tentando em vão proteger-se com papelões estendidos na calçada e cobrindo-se com finos cobertores doados, que não foram suficientes para evitar a hipotermia. Na cidade de São Paulo, de acordo com dados oficiais do município, há pelo menos 25 mil pessoas a viver nas ruas, incluindo famílias inteiras com crianças, mas entidades não governamentais avançam que o número real deve passar de 50 mil.

O município possui vários abrigos para acolher pessoas nessa situação e carrinhas percorrem as principais ruas do centro da cidade durante a noite convidando-as para se recolherem nesses locais. Mas, além de o número de vagas ser insuficiente para os que aceitam, muitos outros preferem ficar na rua a ir para os abrigos, onde dizem ser maltratados pelos funcionários e sofrerem roubos e agressões por parte de outros abrigados.

Ver comentários