Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Talibãs tentam tomar capitais de distrito no Afeganistão

Há combates nas ruas de Herat e Lashkar Gah. Aeroporto de Kandahar atingido com rockets.
Ricardo Ramos 2 de Agosto de 2021 às 08:36
Civis fogem do avanço talibã
Antigos 'mujahideen' voltaram a pegar em armas para tentar travar o avanço dos talibãs
Civis fogem do avanço talibã
Antigos 'mujahideen' voltaram a pegar em armas para tentar travar o avanço dos talibãs
Civis fogem do avanço talibã
Antigos 'mujahideen' voltaram a pegar em armas para tentar travar o avanço dos talibãs
A guerrilha talibã lançou nos últimos dias uma forte ofensiva contra três capitais de distrito no oeste e sul do Afeganistão, procurando cimentar os avanços territoriais obtidos após o anúncio da retirada das forças internacionais do país. O rápido avanço da guerrilha, que já controla metade do país, e o colapso de grande parte das forças governamentais fazem temer o regresso dos talibãs ao poder, duas décadas após terem sido expulsos pelos EUA e aliados na sequência do 11 de Setembro.

O governo afegão enviou, sábado, centenas de militares das Forças Especiais para a cidade de Herat, capital da província ocidental com o mesmo nome e terceira maior cidade do país, onde os guerrilheiros já controlam vários edifícios perto do centro da cidade. A situação é ainda mais complicada em Lashkar Gah, capital da província de Helmand, no sul, onde as forças talibãs estavam este domingo a escassas centenas de metros do palácio do governador, no centro da cidade. Mais a leste, em Kandahar, os talibãs atacaram este domingo com rockets a pista do aeroporto, para a inutilizar e impedir as forças afegãs de usarem meios aéreos para travar o avanço dos seus combatentes. Um deputado local disse que os combates na cidade são os mais violentos dos últimos 20 anos e que os talibãs pretendem ocupar a cidade para fazer dela a sua capital temporária.

Ponte aérea para salvar tradutores
Os EUA lançaram uma ponte aérea de emergência para retirar do Afeganistão milhares de tradutores e outros funcionários locais que trabalharam com as forças internacionais nos últimos anos, temendo que sejam vítimas de retaliação por parte dos talibãs. Na semana passada, um antigo intérprete das forças norte-americanas foi decapitado pela guerrilha, após ter sido detido num controlo de estrada na província de Khost, e muitos outros estão a receber ameaças de morte dos militantes.
Ver comentários