Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Terramoto de 8.4 lança pânico e caos

Eram 18h10 na Indonésia (12h10 em Lisboa) quando um terramoto de 8.4 de magnitude na Escala de Richter sacudiu o sul da ilha de Sumatra, fazendo cair edifícios em algumas cidades. Os media davam conta de dez mortos e centenas de feridos, mas o balanço oficial era de dois mortos e 11 feridos.
13 de Setembro de 2007 às 00:00
Vários prédios ficaram destruídos em algumas cidades indonésias. Foram evacuadas zonas até na capital do país, Jacarta
Vários prédios ficaram destruídos em algumas cidades indonésias. Foram evacuadas zonas até na capital do país, Jacarta FOTO: Ferry Sikumbang / Epa
O Centro de Aviso de Tsunamis do Pacífico não tardou a lançar o alerta de tsunami em quase toda a costa do Índico, que acabaria por ser prematuramente cancelado pela Indonésia. Com efeito, a Malásia anunciou terem-se verificado ondas de um a três metros a afastarem-se do epicentro. Com o devastador tsunami de 2004 ainda bem presente na memória, os residentes da costa saíram precipitadamente para a rua em busca de um lugar seguro. Instalou-se o pânico e o caos, agravados por uma série de réplicas, a mais forte das quais de 6.6, que fez soar novo alerta de tsunami.
“Todos estão a abandonar as suas casas e a correr em todas as direcções”, contou ao telefone uma residente assustada de Bengkulu contactada por um jornalista após o sismo. O cenário era idêntico em outras cidades costeiras da Indonésia.
SENTIDO EM PAÍSES VIZINHOS
O sismo, que fez balançar prédios em Jacarta e até na Malásia, Tailândia e Singapura, levou a desmoronamentos de edifícios em Bengkulu, Padang e Mokomuko, cidades onde se registaram vítimas. Em Jacarta e em algumas zonas costeiras as autoridades ordenaram evacuação. Também na Malásia, Singapura e Tailândia foram evacuados alguns locais.
O epicentro do primeiro terramoto localizou-se a 15,6 km de profundidade abaixo do nível do mar na região de Sumatra e a 130 km a sudoeste de Bengkulu, uma área muito mais a sul do que a do terramoto que provocou o tsunami de 2004. Havia informações de ondas de 2,7 metros terem atingido a cidade de Padang 20 minutos após o primeiro sismo, que causou cortes de energia e de comunicações em algumas cidades. A réplica de 6.6 ocorreu na mesma região e o alerta de tsunami estendeu-se à Austrália, Malásia, Sri Lanka, Índia, Paquistão, Irão, Iémen e Quénia, acabando por ser cancelado.
Recorde-se que a 26 de Dezembro de 2004 um terramoto de 9.15 de magnitude causou um tsunami que atingiu 12 países.
OS SISMOS MAIS RECENTES
12/12/92
Terramoto de 6.8 de magnitude mata pelo menos 2200 pessoas na província indonésia de Nusa Tenggara Oriental.
30/09/93
Uma série de sismos causa a morte a cerca de dez mil pessoas nas regiões meridional e ocidental da Índia. O primeiro teve uma magnitude de 6.4.
17/01/95
Um sismo de 7.2 abala Kobe, no Japão, e mata 6430 pessoas.
04/02/98
Pelo menos 4500 pessoas morrem em Takhar, no Afeganistão, após um sismo de 6.1. Em 30 de Maio do mesmo ano outro sismo de 6.9 mata quatro mil pessoas na mesma província.
17/08/99
Mais de 17 800 pessoas morrem num sismo de 7.4 na Turquia.
26/01/01
Um sismo de 7.7 sacode o estado indiano de Gujarat e causa a morte a pelo menos 19 700.
21/05/03
Um terramoto de 6.7 atinge Argel e cidades vizinhas. 2251 mortos e 10 243 feridos.
26/12/03
Sismo de 6.8 atinge a cidade histórica de Bam. 30 948 mortos.
26/12/04
Um sismo de 9.15 abala a ilha de Sumatra. É seguido de tsunami que atinge 12 países. 229 866 mortos no total.
SAIBA MAIS
- 229 866 pessoas morreram na Ásia na sequência do terramoto seguido de tsunami que em 26 de Dezembro de 2004 atingiu a Indonésia. Este número inclui os 186 983 mortos e 43 883 desaparecidos.
- 7000 abalos sísmicos por ano ocorrem em média na Indonésia, localizada sobre o chamado ‘Anel de Fogo do Pacífico’.
MAGNITUDE
A magnitude de um terramoto é avaliada através da energia libertada no epicentro.
EPICENTRO
É o ponto na superfície terrestre verticalmente acima do foco, ou hipocentro, o ponto na crosta terrestre onde é desencadeado o sismo.
ESCALA DE RICHTER
Faz a leitura da frequência e da amplitude das ondas sísmicas.
Ver comentários