Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Tribunal Europeu culpa Rússia pela morte de antigo espião

Alexander Litvinenko morreu em 2006, envenenado com substância radioativa.
Manuela Guerreiro 22 de Setembro de 2021 às 08:48
Alexander Litvinenko num hospital de Londres pouco antes de morrer
Denis Sergeev é agente do GRU
Alexander Litvinenko num hospital de Londres pouco antes de morrer
Denis Sergeev é agente do GRU
Alexander Litvinenko num hospital de Londres pouco antes de morrer
Denis Sergeev é agente do GRU
O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos concluiu que a Rússia foi responsável pelo assassinato do ex-espião do KGB Alexander Litvinenko, que morreu em Londres em 2006 envenenado com polónio-210, uma substância radioativa rara.

Litvinenko, crítico do regime de Vladimir Putin, estava refugiado desde 2000 na capital britânica, onde morreu, seis anos depois, após beber chá verde misturado com polónio-210. A imagem do antigo espião, de 43 anos, a agonizar no hospital correu Mundo e foi no leito da morte que disse acreditar ter sido Putin a ordenar diretamente a sua morte. Passaram 15 anos e o Tribunal Europeu afirma agora que o antigo guarda-costas do KGB Andrei Lugovoy e outro russo, Dmitry Kovtun, assassinaram Litvinenko, tal como tinha concluído o inquérito britânico à morte do antigo espião. Em 2016, os investigadores já tinham concluído que existia uma grande probabilidade de que Putin tivesse ordenado o assassinato. A Rússia sempre negou qualquer tipo de responsabilidade.

O Tribunal Europeu decidiu ainda atribuir uma indemnização de 100 mil euros à viúva por danos.

Mais um acusado pelo ataque a Skripal
A polícia britânica acusou um terceiro espião russo pela tentativa de envenenamento do agente duplo Sergei Skripal em março de 2018. O suspeito foi identificado como Denis Sergeev, alegado agente do GRU, que terá entrado no Reino Unido sob o nome Sergey Fedotov e que se terá encontrado várias vezes com os dois autores materiais do ataque, Alexander Mishkin e Anatoliy Chepiga. Os três são alvo de mandato de captura internacional.
Ver comentários