Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Trump criticado por ter nome inscrito nos cheques de apoio aos norte-americanos

Cheques fazem parte de um plano de ajuda para socorrer a economia norte-americana, assolada seriamente pelo novo coronavírus.
Lusa 15 de Abril de 2020 às 21:11
Donald Trump
Donald Trump FOTO: REUTERS/Joshua Roberts
A líder Democrata da Câmara dos Representantes norte-americana, Nancy Pelosi, considerou hoje "vergonhoso" que o nome de Donald Trump surja nos cheques atribuídos aos cidadãos do país afetados em pleno pela crise da covid-19, o que poderá retardar o respetivo envio.

O Tesouro norte-americano confirmou à agência noticiosa France-Presse que o nome de Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos, será impresso nos cheques até 1.200 dólares (1.095 euros) que serão, em breve, remetidos a dezenas de milhões de pessoas.

A decisão, inédita, poderá atrasar o envio dos cheques por vários dias, indicou, por sua vez, o diário Washington Post, que cita altos responsáveis dos serviços fiscais norte-americanos.

"Atrasar os pagamentos diretos às famílias vulneráveis apenas por imprimir o nome nos cheques é mais um novo exemplo vergonhoso do fracasso catastrófico do Presidente Trump no tratamento da crise com a urgência que se requer", reagiu Nancy Pelosi num comunicado.

Outros representantes Democratas, através das redes sociais, também criticaram fortemente a decisão, acusando Trump de estar a querer fazer política em tempos de crise, dado que vai jogar a sua reeleição em novembro.

Os cheques fazem parte de um histórico plano de ajuda de mais de dois biliões de dólares aprovado pelo Congresso e promulgado por Trump em fins de março para socorrer a economia norte-americana, assolada seriamente pelo novo coronavírus.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (26.059) e mais casos de infeção confirmados (609.516).

Seguem-se Itália (21.645 mortos, em 165.155 casos), Espanha (18.579 mortos, 177.633 casos), França (15.729 mortos, 143.303 casos) e Reino Unido (12.868 mortos, 98.476 casos).

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou quase 127 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 428 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa quatro mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Ver comentários