Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

TUI retoma voos dos Países Baixos para ilhas cabo-verdianas de Santiago e São Vicente

Grupo tem sede na Alemanha e opera sete hotéis, 'resorts' e voos próprios para Cabo Verde.
Lusa 16 de Abril de 2021 às 14:12
Avião do grupo TUI
Avião do grupo TUI FOTO: Getty Images
O grupo TUI retoma esta sexta-feira as suas operações para as ilhas cabo-verdianas de Santiago e São Vicente, a partir dos Países Baixos, mais de um ano após a suspensão por causa das restrições para travar a propagação da covid-19.

A informação foi avançada pelo Ministério do Turismo e Transportes de Cabo Verde, adiantando que o voo chega à cidade da Praia ao início da tarde, um Boeing 737, com 180 lugares.

"As operações para as ilhas de São Vicente e Santiago vão servir a comunidade cabo-verdiana que reside naquele país, turistas e o público em geral", salientou aquele ministério cabo-verdiano.

A operadora vai passar a realizar dois voos semanais até junho, com partidas de Amesterdão, às segundas e sextas-feiras, e partidas de Praia e São Vicente às terças e sábados e com preços a partir de 399 euros, ida e volta, ainda segundo o Governo.

Em meados de março, chegaram à ilha cabo-verdiana do Sal os primeiros 382 turistas em programas do grupo TUI, o maior operador turístico mundial, em praticamente um ano de pandemia de covid-19.

Na altura, o Ministério do Turismo e Transportes do país registou "com agrado e com muita satisfação" a retoma destas operações, por ser "um sinal demonstrativo da confiança dos turistas e do operador TUI" no arquipélago como destino internacional.

O primeiro voo na retoma da TUI foi desde a Polónia com destino ao Sal, realizado através do Tour Operator TUI Polónia, e vai passar a acontecer aos domingos, até 03 de maio próximo.

O grupo TUI tem sede na Alemanha e opera sete hotéis, 'resorts' e voos próprios para Cabo Verde.

A pandemia de covid-19 levou ao encerramento das ligações aéreas internacionais de Cabo Verde de 19 de março a 12 de outubro, mas a retoma turística ainda é lenta e sobretudo com alguma procura de turistas polacos e portugueses, desde dezembro.

De acordo com informação prestada anteriormente à Lusa pelo diretor de comunicação do grupo TUI para os mercados internacionais, Evangelos Georgiou, há uma "demanda e as pessoas querem viajar em geral", logo que esteja ultrapassada a atual fase da pandemia de covid-19.

"Para Cabo Verde, estamos a planear reiniciar no final de abril em alguns mercados de origem europeus", explicou, apontando que a partir de França a retoma dos turistas para o arquipélago, através do grupo TUI, acontecerá "possivelmente antes". 

O turismo garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB) de Cabo Verde, após um recorde de 819 mil turistas em 2019, mas a atividade está praticamente parada há um ano, devido às restrições nas viagens, para conter a transmissão da pandemia de covid-19.

Segundo dados do Governo cabo-verdiano, através do grupo alemão, instalado no país desde 2015, chegam todos os anos a Cabo Verde cerca de 350.000 turistas, essencialmente para as ilhas do Sal e da Boa Vista. 

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.987.891 mortos no mundo, resultantes de mais de 139 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, m Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

Ver comentários