Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Vacina Covid da Pfizer já pode ser armazenada num frigorífico normal até um mês

Alteração é feita para facilitar o processo de vacinação ao nível europeu.
Lusa 17 de Maio de 2021 às 15:22
Vacina da Pfizer contra a Covid-19
Vacina da Pfizer contra a Covid-19 FOTO: Reuters
Um frasco da vacina anticovid-19 da BioNTech/Pfizer pode ser armazenado num frigorífico normal até um mês, anunciou esta segunda-feira a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), esperando que a alteração facilite o processo de vacinação ao nível europeu.

Em comunicado, o regulador europeu explica que o seu comité de medicamentos humanos "recomendou uma alteração às condições de armazenamento aprovadas para a Comirnaty, a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela BioNTech e Pfizer, que facilitará o manuseamento da vacina em centros de vacinação em toda a UE".

Em concreto, "esta alteração alarga de cinco dias para um mês - 31 dias - o período aprovado para armazenamento do frasco não aberto e descongelado a 2-8°C, ou seja, num frigorífico normal após a retirada do congelador", acrescenta a EMA.

A agência europeia explica que esta decisão surge após uma análise dos "dados adicionais do estudo de conservação apresentados à EMA pelo titular da autorização de introdução no mercado", adiantando esperar que esta "maior flexibilidade no armazenamento e manuseamento da vacina tenha um impacto significativo no planeamento e logística da administração da vacina nos Estados-membros da UE".

O regulador europeu conclui estar ainda em "diálogo contínuo com os titulares da autorização de introdução no mercado das vacinas contra a Covid-19", isto é, as farmacêuticas, caso queiram "introduzir melhorias no fabrico para melhorar a distribuição de vacinas na UE".

Assente na tecnologia do ARN mensageiro, a vacina Comirnaty (nome comercial da vacina Pfizer/BioNTech) é uma das quatro aprovadas na UE, às quais se juntam os fármacos da Moderna, Vaxzevria (novo nome do fármaco da AstraZeneca) e Janssen (grupo Johnson & Johnson).

A ferramenta 'online' do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) para rastrear a vacinação da UE e que tem por base as notificações dos Estados-membros, revela que até ao momento uma média de 14,4% da população da UE está totalmente inoculada (com as duas doses da vacina contra a Covid-19), enquanto cerca de 36% recebeu a primeira dose.

Em termos absolutos, isto equivale a 183 milhões de doses de vacinas administradas de 217 milhões de doses recebidas, sendo que os dados do ECDC dependem sempre das comunicações dos países.

Além dos constantes atrasos na entrega das vacinas e em doses aquém das contratualizadas por parte da farmacêutica AstraZeneca, a campanha de vacinação da UE tem sido marcada por casos raros de efeitos secundários como coágulos sanguíneos após toma deste fármaco, relação confirmada pelo regulador europeu, como aliás aconteceu com a vacina da Johnson & Johnson.

A vacina da Pfizer/BioNTech tem sido a mais procurada pela Comissão Europeia para superar estes problemas e manter o ritmo de vacinação na UE.

Ver comentários