Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Baptista-Bastos

Todos somos culpados

As tentações são muito grandes e a instigação do dinheiro é cada vez maior.

Baptista-Bastos 26 de Outubro de 2016 às 01:45
Uma onda de perplexidade percorre o país, conhecedor dos vencimentos fabulosos atribuídos aos dirigentes da Caixa Geral de Depósitos. Estabelecendo um contraste com os ordenados de quem ainda trabalha, os míseros tostões das reformas que se distribuem por aí, e os pressupostos de quem está à beira da aposentadoria no mundo do trabalho, a dimensão dos danos é afrontosa.

Vemo-los nos jardins onde o jogo não é só permitido como estimulado. É observar essa cabisbaixa feira de destroços, esses milhares e milhares de velhos que trabalharam uma vida inteira sem o benefício de algum dia virem a ser mediocremente felizes.

Diziam os antigos que os manobradores de dinheiro têm de ser cuidadosamente preservados das tentações. A forma conhecida como óbvia seria pagar-lhes lautamente. Parece que a artimanha se tem mantido, mas nem sempre dá resultado. As tentações são muito grandes e a instigação do dinheiro é cada vez maior.

A submissão da objectividade e da honra cede, com frequência, aos critérios transversais das tentações. Todos nós conhecemos casos, numerosos casos, que se não têm oposto às instigações do desejo. E, talvez, um impedimento às fraquezas do espírito seja o de se recompensar milenarmente quem pode ser docemente atraído pelo desejo da fortuna.

As imagens dos nossos jardins pejados de reformados mal pagos constituem um castigo pesaroso do viver português. Não é um país falsificado o que por ali se vê. É a cena devolvida do que viremos a ser, aqueles que trabalharam uma vida inteira sem dispor de outro futuro se não aquele que as televisões nos devolvem.

Estamos perante um acto de "disseminação" vagaroso e torpe, tornado lugar-comum, e só vagamente tributário da nossa atenção. Estas cenas não são pontuais e isoladas, constituem a marca indecorosa de uma época que parece ter vindo para ficar, porque nós o permitimos.
Caixa Geral de Depósitos salários
Ver comentários