Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Boss AC

Estudar melhor ou estudar mais?

Os horários das crianças são, infelizmente, moldados aos horários dos adultos.

Boss AC 21 de Junho de 2015 às 00:30
Li algures que a Confederação Nacional das Associações de Pais defende que o ano lectivo deve começar em Setembro e acabar em Julho. Ou seja, os alunos devem ter apenas um mês de férias de Verão. Onze meses de aulas por ano e um mês de férias? É assim que se quer combater o insucesso escolar? E durante o mês de Agosto? Meter os putos numa colónia de férias, longe de casa, com aulas de explicação e actividades diárias?
Parece-me que em onze meses, o que os miúdos vão aprender, com toda a certeza, é a ter saudades de casa e a detestar a escola. É difícil ler esta notícia sem achar que estes pais querem ver os filhos "pelas costas"!
Há quem diga que os actuais dois meses e meio são demais. Até pode ser que sim. Mas então remodelem os horários e repartam de forma mais justa as férias das crianças. Mas deixem-lhes tempo para ser crianças. Não me parece que seja com estas medidas que se motivam crianças a estudar e a aguentar as cada vez mais exigentes metas curriculares.
Reivindique-se, em vez de uma carga horária mais pesada para as crianças, melhores condições de trabalho para os pais. Porque uma coisa influencia a outra. Os horários das crianças são, infelizmente, moldados aos horários dos adultos. Se os pais saem para trabalhar às sete da manhã e só regressam ao final do dia, percebe-se que a criança tenha que ter onde e com quem ficar. Mas fazer os miúdos viver na escola?
O sistema escolar parece-me demasiado focado em ensinar às crianças "o que" pensar, em vez de lhes ensinar "como" pensar. Creio que há uma grande diferença. O sistema assim evita ser questionado pelas mesmas pessoas que ensina.
Estamos demasiado preocupados em ter as crianças a estudar mais, quando o caminho poderia ser levar os alunos a estudarem melhor. Essa mentalidade à merceeiro – com o devido respeito pela classe – de quantidade ser mais importante do que qualidade, aplicada à educação, talvez não seja a mais adequada. Este princípio pode ser aplicado ao emprego duma forma geral; o facto de se trabalhar mais horas não significa necessariamente que se produza mais ou se trabalhe melhor. Os países nórdicos, com o destaque para a Finlândia, são dos que têm as cargas horários menos preenchidas e são vistos como os melhores sistemas de ensino do mundo.
Caros pais: aproveitem o máximo tempo possível com os vossos filhos e usufruam da sua companhia. Antes que seja tarde demais. A criança precisa de espaço para correr, precisa de brincar, precisa de socializar e sim, precisa, de dormir. Digo isto na qualidade de ex-criança.
Há uma grande diferença, penso eu, entre educar e ensinar. Talvez por isso, às vezes, passados tantos anos de escolaridade, o diploma da Universidade mais não seja do que um recibo e haja tanta gente culta e mal-educada. 
Ver comentários