Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Anjos

Crime e vítimas

Parece que já ninguém se lembra dos familiares e das vítimas.

Carlos Anjos 21 de Outubro de 2016 às 00:30
Permitam-me que aborde, de outra forma, os crimes de Aguiar da Beira. Não vou falar sobre o presumível homicida, nem sobre o que devem fazer as forças de segurança. Muito se tem falado do suspeito, assim como das Polícias, mas as vítimas, essas foram esquecidas do discurso mediático.

Parece que ninguém se recorda de Carlos Caetano, o soldado da GNR barbaramente assassinado, assim como ninguém sabe o que está a sentir a companheira, pais, irmãos e família mais próxima. Da mesma forma que ninguém sabe como se sente o militar da GNR, gravemente ferido no mesmo crime, nem no misto de sentimentos – entre o medo do que aconteceu e a alegria por estar vivo – que a sua família está a viver.

O que dizer dos familiares de Luís Pinto, que perdeu a vida, e da mulher Liliana, que continua em estado crítico e que tiveram o azar de estar na hora e local errados, bem como no sofrimento dos seus familiares.

Da mesma forma que não me quero esquecer do sofrimento por que está a passar a família do presumível autor dos crimes, eles próprios confinados ao papel de sofredores por aquele que é o homem mais odiado em Portugal.

Mais do que heróis, este crime fez vítimas e essas parece que foram já esquecidas.
Aguiar da Beira Carlos Caetano GNR Luís Pinto Liliana questões sociais crime lei e justiça
Ver comentários