Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Moedas

Uma data marcante para a cidade de Lisboa

Ter transportes públicos gratuitos em Lisboa revela bem o que nos move, melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Carlos Moedas 20 de Abril de 2022 às 00:30

Está cada vez mais perto o dia em que os lisboetas poderão ter transportes públicos gratuitos.

Em sessão extraordinária da Câmara Municipal, será discutida – e, estou certo, aprovada – uma proposta que tornará gratuitos os transportes públicos para os residentes com menores de 23 anos e maiores de 65 anos.

Esta proposta, que nasce de um compromisso muito concreto e preciso feito, resulta de um trabalho de diálogo profundo feito com os vereadores das diversas forças políticas, com os Transportes Metropolitanos de Lisboa e os diferentes operadores: Carris, Metro, CP e Fertagus.

Desde o dia em que iniciei funções no Município que tenho vindo a procurar garantir a concretização desta importante medida que colocará Lisboa na linha das cidades europeias em que a aposta nos transportes coletivos é algo mais do que mera retórica ou bons propósitos. E sinto-me particularmente satisfeito com os resultados que se conseguiram com o contributo de todas as partes.

Ter transportes públicos gratuitos em Lisboa revela bem o que nos move, melhorar a qualidade de vida das pessoas numa Lisboa ambientalmente sustentável.

A mobilidade eficiente é crucial para as cidades. E Lisboa vai estar na dianteira. Procurámos desde o primeiro momento que esta nossa aposta pudesse ser acompanhada integralmente pelos restantes municípios da Área Metropolitana de Lisboa. Acreditamos que no futuro assim será. Mas, para já, foram criadas as condições para a capital avançar.

Esta medida é urgente do ponto de vista climático mas também do ponto de vista social. Do ponto de vista climático é essencial porque nos leva da ambição ao concreto. Ou seja, transforma um objetivo numa medida concreta que permitirá melhorar a qualidade do ar e o bem-estar das pessoas. E o papel das cidades é esse mesmo. As cidades são a plataforma do concreto.

Mas os transportes gratuitos são também uma medida social porque não fazem depender o acesso à mobilidade da condição social e do rendimento de cada um. E sobretudo num momento histórico em que vemos o preço da energia e dos combustíveis a aumentar devemos ser nós nas cidades a dar um sinal concreto de ajuda.

Vamos garantir a gratuitidade a todos os residentes com idade superior a 65 anos. O mesmo para todos os menores até aos 18 anos. E ainda para os estudantes do ensino superior até aos 23 anos inclusivé (ou até aos 24 anos inclusivé, no caso dos inscritos em medicina e arquitetura).

Para os mais velhos, permitirá que os residentes que normalmente têm maiores limitações ao nível de mobilidade tenham um acesso mais universal ao transporte e ao seu direito a uma fácil locomoção.

Para os mais jovens, esta medida pretende captar novas gerações para o transporte público e caminharmos para uma cidade que no futuro seja mais sustentável ambiental e economicamente.

Estamos ainda distantes do Luxemburgo ou de Tallinn, só para citar duas capitais europeias onde os transportes públicos são integralmente gratuitos para toda a gente. Mas estamos em Lisboa a dar um passo decisivo na direção certa, o que muito me orgulha.

Para já, a aprovação desta proposta em reunião de câmara ficará como a data marcante na vida da nossa comunidade e reforça a forma como pretendo governar Lisboa, com as pessoas.

Ver comentários