Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Diana Ramos

O ano que nos espera

Somam-se esperanças de que o próximo ano traga esperança, já que o atual nos mergulhou numa pandemia inimaginável.

Diana Ramos 27 de Dezembro de 2020 às 00:31
A escassos dias da entrada em 2021 e com o arranque da vacinação em pano de fundo, somam-se esperanças de que o próximo ano traga esperança, já que o atual nos mergulhou numa pandemia inimaginável. O primeiro-ministro resumiu 2020 como um ano de "combate, dor e resistência". E trará o próximo menor caderno de encargos? Vejamos os números que se nos apresentam: um défice de 4,9% até setembro, que deverá ficar ainda mais cavado graças a um quarto trimestre com apertadas restrições sanitárias. Longe do excedente histórico alcançado em 2019. Uma taxa de desemprego que só não entra em ritmo galopante por causa das medidas excecionais de apoio à atividade económica.

Se muitos veem em 2021 a esperança da imunidade e de um combate mais efetivo à pandemia, é preciso não esquecer também os que ficam perdidos nos números da burocracia: os que perdem rendimentos face à crise devastadora que ameaça abater-se sobre o tecido económico. Os que ficam para trás numa sociedade que caminha a passos largos para uma maior desigualdade. Os que não são o espelho da pobreza extrema, mas que estão no limiar da envergonhada, esquecidos e desapoiados. Será na resposta a estes que estará o maior desafio de 2021. Assim saibamos todos corresponder-lhes.
Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
questões sociais política economia negócios e finanças trabalho
Ver comentários