Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Cintra Torres

Em directo da RTP para a Sonangol

Se Paulo Catarro passou directamente da RTP para a Sonangol, o seu trabalho de anos como correspondente em Luanda deve ser escrutinado — agora.

Eduardo Cintra Torres 16 de Março de 2017 às 17:44
Se um governante teve ocupação na privada, antes ou depois de estar no poder, há ‘polémica’ e investigação jornalística. Ainda bem. Quando o correspondente da RTP em Luanda, Paulo Catarro, deixa o cargo e entra directamente para a Sonangol — silêncio.



A SIC continua no top das melhores galgas nos rodapés. Neste caso, Miguel Guimarães, bastonário das Ordem dos Médicos, passou a ‘José Miguel Guimarães, Ordem dos Bastonários’. Para que precisamos de humoristas quando temos os redactores de rodapés?



Esta trapalhada também não está nada mal: em vez de governador do Banco de Portugal, a SICN intitulou-o ‘Governador do BCP’. E que tal arranjar alguém com uma ‘quarta classe das antigas’ para escrever os rodapés? Ou alguém na régie que saiba ler?



No Hospital de Santa Marta realizou-se a primeira implantação em Portugal dum coração metálico definitivo. Quem anunciou? O ministro da Saúde, que não tem responsabilidade no assunto. Como não tem nada para anunciar, rouba as novidades aos outros.



Estava o especialista no quarto (!) a falar em directo via skype para a BBC, quando as crianças e uma mulher entraram em cena. O canal manteve o directo e fez bem: foi hilariante. Impossível ouvir o que ele dizia. O anedótico era mais interessante.



A nova temporada de ‘Príncipes do Nada’ (RTP1) corrigiu o estilo de Catarina Furtado, melodrama eivado de neocolonialismo solidário, e concentrou--se na informação sobre acções positivas em países pobres. Menos Furtado resulta sempre bem nos programas.



-----

Tendências:

Mendes
A RTP ainda não lhe ergueu estátua, mas Fernando Mendes já é o herói do ‘serviço público’: com o seu programa semi-publicitário de apelo ao consumo em supermercados, permite à RTP uma audiência que o poder político acha razoável, a quem pouco importa que a edição 3000 tivesse menos de 2% de audiência abaixo dos 25 anos e superior a 25% entre os de 75 ou mais anos. 

Tempo
A informação meteorológica revela o modelo de comunicação da TV: podendo os canais mostrar tudo em mapas, como fazem alguns, a maioria prefere informar em conversa e até vai ao IPMA ouvir técnicos dizerem previsões, que poderia mostrar. A TVI tentou dar a volta com um mapa digital no chão, mas já o mostrou ‘subindo’ de Sul para Norte com a locutora informando de Norte para Sul.
Ver comentários