Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Cintra Torres

Mas para quê ver futebol assim?

Há milhões de portugueses que, ou não querem saber, ou que apoiam as falcatruas desde que a favor do seu clube.

Eduardo Cintra Torres 18 de Junho de 2017 às 03:11
Com o futebol-jogo nacional reduzido à Taça das Confederações, o futebol-palavras manteve-se em transe na vida portuguesa. O caso, agora, é grave. Tem mais drama e nós narrativos do que um folhetim de Camilo: há os emails, como foram obtidos, o fogo cruzado de acusações entre os três principais clubes e a reacção pífia das estruturas nacionais do futebol, sempre com medo, muito medo do que possa acontecer — não ao futebol, mas a si mesmas.

Os leitores conhecem os meandros do caso. Como obteve o FCP os emails? Através de hackers, como diz o SLB? Esperemos pela investigação judicial, daqui a 10 anos. Onde foram divulgados? No Porto Canal, pelo ‘director de comunicação’, cargo que é, em qualquer clube, de director de propaganda e contra-ataque. O mesmo director no SLB, Luís Bernardo, célebre chefe da imagem e propaganda de Sócrates, acusou o adversário de ter sido jornalista avençado; este negou. Que diz o DIAP sobre os emails, que prefiguram corrupção generalizada à volta da arbitragem? Que investigará. A par de casos anteriores, podemos esperar sentados. O SCP, entretanto, mete-se ao barulho e pede a anulação de taças do adversário lisboeta, ainda antes de investigação. O fogo cruzado passa a incluir o Sporting, que não podia ficar de fora deste campeonato da palavra.

O caso é grave, mas tenho de me proteger na ironia. Não ligo ao futebol dos clubes (só ligo à nossa querida Selecção) há mais de 30 anos, precisamente porque a corrupção já decidia jogos e títulos — e eu não queria ser enganado.

Infelizmente, há milhões de portugueses — ai! ,quantos me estarão a ler? — que ou não querem saber ou que apoiam as falcatruas desde que a favor do seu clube. Só esta questão me preocupa. O futebol tomou o lugar da religião no pior que ela teve no passado: o fanatismo, a violência verbal, a ausência de dúvida, dúvida que o próprio Jesus Cristo teve. Por ser religião laica organizada como negócio e com milhões de crentes, o futebol pode ser pasto para todas as falcatruas mas os poderes político, económico (empresas patrocinadoras), judicial e desportivo apenas fingem que se mexem para alterar o quadro geral infecto.

Sobra a imprensa: como pode ela ser aceite de corpo inteiro como o quarto poder, o cão de guarda dos poderes, se os poderes e os crentes — incluindo os seus leitores — protegem as aldrabices nos bastidores da bola? É muito difícil, apesar do esforço para as dar a conhecer. O melhor, leitor, é fingir que ‘no pasa nada’ e, vindo Agosto, vibrar com os jogos. Ou acabará um triste como eu, que deixou de ver o futebol nacional, excepto o da nossa querida Selecção.

As minhas modestas propostas  
Eis as minhas modestas propostas para acabar de vez com a corrupção no futebol português.
1ª) Revolta generalizada da sociedade civil, com manifs maiores do que as do 1º de Maio de 1974, e greve geral das pessoas de bem a todos os jogos dos três maiores clubes.
2ª) Prender preventivamente todos os dirigentes dos três maiores clubes, incluindo os directores de ‘comunicação’, e os das estruturas do futebol nacional (clubes, árbitros), pelo prazo máximo previsto na lei; e garantir que não têm telemóveis nas celas.
3ª) Greve de todos os clubes médios e pequenos aos jogos com os três ‘grandes’, jogando estes apenas entre si.
4ª) Interditar os estádios dos três ‘grandes’ por um ano e entregar os respectivos relvados a manadas de gado vacum.
5ª) Legalizar a corrupção, havendo leilões públicos das prendas aos árbitros, com entrega de 20% das receitas a instituições de solidariedade.
6ª) Emigrarmos todos para a Islândia.

Se for a BBC, não é ‘sensacionalismo’
A BBC fez uma cobertura non-stop da tragédia no arranha-céus em Londres. Fez bem. Em ataques terroristas, a BBC obedece a compromissos com o Estado (dar menos cobertura), que não tinha neste caso. Esteve livre. Feito por canais portugueses, uma cobertura assim    é considerada ‘sensacionalista’, ‘tabloide’. Neste caso foi a BBC? Silêncio.
Eduardo Cintra Torres opinião
Ver comentários