Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Cintra Torres

Propaganda do Governo fez ricochete

Este comportamento comunicacional do governo funciona em ditadura, mas não em democracia.

Eduardo Cintra Torres 25 de Junho de 2017 às 00:30
O incêndio em Pedrógão Grande é uma tragédia, não só pelo número incrível de vítimas mortais, feridos e desaparecidos, mas porque a sociedade em conjunto o considera como uma tragédia. Na sua relação em vasos comunicantes com a sociedade, de que faz parte, a TV toma um lugar de destaque na construção da tragédia, isto é, na comunicação dos eventos enquanto género dramático.

A TV mantém a primazia nestes eventos singulares a que chamo tragédias televisivas, dada a força comunicativa da informação audiovisual em directo.
A tragédia foi, na origem, um espectáculo teatral. Tal como hoje, o argumento anunciava algo terrível que, mesmo assim, era impossível evitar. Tem as suas personagens, o seu coro, o seu curso, a vivência colectiva, emoções vividas individual e colectivamente, o ressentimento do povo-coro expresso hoje em extraordinários testemunhos na TV que inquietam os poderosos e os que desprezam o povo mesmo quando dizem amá-lo. Na tragédia, tudo é posto em causa, a começar pelos poderes instituídos. O centro simbólico do país transfere-se da capital para onde a tragédia acontece. Os poderes como que caem ao chão. E foi precisamente na reacção do poder político que a tragédia de Pedrógão Grande se distinguiu de outras.

Ao tentar controlar toda a comunicação pública, o governo de António Costa enterrou-se mais do que se tivesse sido mais moderado. Tentou ocupar todo o espaço mediático desde o primeiro momento, como se estivesse a controlar a situação (não estava). Encheu os ecrãs de ministros e secretários de Estado, que pareceram baratas tontas a dizer coisas. Avançou com um número de vítimas mortais errado, não dando a conhecer a verdade terrível. Aparentemente, mandou avançar o director nacional da Polícia Judiciária que, para sua eterna vergonha, lançou logo a "tese" falsa do raio que partiu a árvore (deveria ser demitido de imediato); mandou avançar o director do IPMA com a "tese" falsa do raio e da "trovoada seca" (idem); o IPMA censurou a sua própria informação sobre raios e trovoadas no seu site. Aparentemente, no primeiro dia, mentiram ao presidente da República, levando-o a dizer que se tinha feito tudo que se podia fazer. Era falso. Marcelo teve de recuar. O governo escondeu que o corrupto SIRESP falhou por completo. Costa pediu relatórios apressados e auto-justificativos à GNR, etc., para se defender em entrevistas e declarações nos primeiros dias.

Este comportamento comunicacional do governo, com mentiras, omissões e desinformação, abafando vozes discordantes e o povo ressentido, funciona em ditadura, mas não em democracia. Não funcionou.

A direcção da RTP deve explicações   
Ontem, sexta-feira, 23 de Junho, às 09h50, no programa de informação ‘Bom Dia Portugal’, a RTP1 e 3 apresentou uma das peças de publicidade mais abjectas que tenho visto. O jornalista apareceu enquadrado numa imagem com o logótipo da EDP. A "notícia" promoveu um pacote comercial da EDP para empresas. A "notícia" não teve imagens próprias. Recolheu-as no site da EDP. Mostrou imagens duma fábrica e declarações dum director de fábrica constantes nesse site. A ficha técnica não incluía, por isso, operador de imagem, apenas a "jornalista" e a autora da "edição". Esta publicidade mascarada de jornalismo acontece também noutros canais. Tenho revelado diversos casos. Mais ninguém investiga. A regulação não regula. O "Sindicato dos Jornalistas" e a Comissão da Carteira de Jornalista nem piam. Directores dos canais não são responsabilizados. Desta vez digo: o director de Informação da RTP, Paulo Dentinho, tem a obrigação estrita de se pronunciar.

Matar o mensageiro para proteger o poder   
As manobras de diversão do aparato de comunicação da geringonça para desviar as atenções do horror de Pedrógão Grande foram os do costume: dois ou três erros da TV, como uma imagem de Judite Sousa com um corpo, o avião (que fontes oficiais fizeram "cair") e uns artigos jornalísticos num jornal espanhol assinados com pseudónimo. Voilà!
Eduardo Cintra Torres opinião
Ver comentários