Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernanda Cachão

230 euros em gambas

Quem de entre nós nunca leu, viu ou conheceu quem aproveitasse cargos para dar emprego a familiares?

Fernanda Cachão 12 de Dezembro de 2017 às 00:30
Entre os alegados ilícitos atribuídos à presidente da Raríssimas, o que mais impressiona são as gambas. Os 230 euros gastos em gambas.

Explicamos. Quem de entre nós nunca leu, viu ou conheceu quem aproveitasse cargos para dar emprego a familiares? Quem de entre nós nunca soube doutro que tenha designado para si próprio ordenado opíparo, mesmo que não pague a funcionários e fornecedores?

Quem nunca soube da preferência de presidentes e outros mandantes pela marca BMW, pelas deslocações pagas, pelos cartões de crédito, pelas despesas de representação e pelas ajudas de custo? Quem nunca leu que esses tais pagaram viagens a outros ou arrearam caro o corpo à moda a pretexto do nobre ato de representar o cargo que têm? Mas as gambas, senhores?...

É mais grave o ato de corrupção quando se está à frente de uma associação sem fins lucrativos, que arrecadou 1,5 milhões, mais de metade do Estado, para ajudar doentes?

É, certamente, chocante. Certo é que feitas as contas ao dano de todo e qualquer corrupto poupa-se sempre no marisco porque o mexilhão, que é quem se lixa, é mais barato ao quilo.
Ver comentários