Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernando Sobral

Casa da praia

Beach House regressam com melodias ainda mais luminosas e perenes.

Fernando Sobral 7 de Novembro de 2015 às 00:30
As estrelas guiam-nos na noite. E, muitas vezes, a escuridão da música pop é tão densa que não nos deixa ver certas jóias que reluzem onde menos se espera. É o caso deste regresso em 2015 dos Beach House com ‘Thank You Lucky Stars’, com canções que saíram da mesma fornada do álbum ‘Depression Cherry’, com a única diferença de terem sido gravadas mais tarde.

Pode ter sido um acaso, mas as melodias com que Victoria Legrand e Alex Scally nos presenteiam aqui são ainda mais luminosas e perenes do que as do anterior disco. A doçura da voz de Legrand no tema de abertura, ‘Majorette’, acaba por reflectir de forma muito clara essa transição, sem rupturas, porque é uma canção que poderia pertencer a qualquer disco do grupo. Mas, a pouco e pouco, o disco vai ganhando fôlego e dimensão.

‘All Your Yeahs’ espelha perfeitamente este estado de alma, sempre em crescendo, acompanhando a batida que se vai intensificando devagarinho. ‘One Thing’ ou ‘Elegy to the Void’, verdadeiras obras-primas deste disco, onde se percebe muito bem a dança perfeita entre a guitarra de Scally e a voz de Legrand. Há sempre aqui uma complementaridade muito grande e é isso que dá corpo e alma ao projecto Beach House.

Em ‘Somewhere Tonight’, onde há uma clara aproximação ao som dos anos 50, à aventura de cruzar o rock, os blues e a soul, num ambiente que evoca o romance. Os Beach House estão a conseguir sintetizar na sua música o agradável prazer da melodia muito melancólica e calma. O que é um corte com estes dias onde tudo é rápido. Até o amor.
música Beach House Thank You Lucky Stars Victoria Legrand Alex Scally
Ver comentários