Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

J. Rentes de Carvalho

As orelhas em ponta

Involuntariamente vão os olhos dos novos para as orelhas dos anciãos.

J. Rentes de Carvalho 22 de Julho de 2016 às 01:45
Os sorrisos são os mesmos, as pessoas continuam a falar-lhe como dantes, uma ou outra diz que o tempo passa depressa, já lá vão dez anos, pergunta se ainda aguenta o trabalho no lar. Depois é bom-dia ou boa-tarde, adeusinho, parece o costume mas há mudança, Matilde tem a certeza de que lhe escondem qualquer coisa.

Não escondem. Ganharam-lhe medo, desde a tarde em que no café anunciou que o senhor Adriano não durava, e ele faleceu na noite seguinte. Depois foi a mãe do Fonseca, o tio da Sabina, a avó do Antero, a avó da Mariana.

Quiseram saber se era dom, e ela tinha-se zangado. Qual dom, qual carapuça, qualquer um podia ver. Quando os idosos começavam a ficar com as orelhas em ponta, era sinal que nunca falhava: poderiam aguentar o dia, mas da noite não passavam.

No café, quando ela não está, ainda gracejam, mas dentro de casa deixou de haver paz. Embora ninguém toque no assunto, involuntariamente vão os olhos dos novos para as orelhas dos anciãos. E estes, fingindo que não dão conta nem acreditam no que a Matilde diz, evitam o espelho.
Ver comentários