Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Joana Amaral Dias

Quietos & Calados

A ética republicana não sobrevive a chefes de governo com este perfil.

Joana Amaral Dias 24 de Setembro de 2016 às 01:45
Rufam os tambores, entoam as trompetas: eis o regresso de Sócrates à vida política. Ativa. Bom, na verdade, talvez nunca tenha muito bem saído, mas enfim. Comícios na província, universidade de Verão, almoço-homenagem. Outros carnavais se seguirão. Sem espinhas?

Os seus defensores argumentam que não foi condenado e é apenas arguido sob investigação, gozando da presunção de inocência. Ok. Mas fora as suspeitas de corrupção e branqueamento de capitais, é o próprio que admite que viveu durante anos na dependência financeira, ainda por cima secreta, de um empresário com contratos com o Estado. E isso, numa democracia madura e inteligente, não é admissível. Mesmo. Ponto final.

A ética republicana não sobrevive a chefes de governo, ainda para mais do centro-esquerda, com este perfil. Mas o PS, embora dividido, não se importa, promove até, limitando-se a criticar os meandros da justiça e as suas fragilidades. Das quais, óbvio, também é responsável.

António Costa não quer saber ou não tem força e autonomia. Ou ambas. Mesmo a restante esquerda não pia. Come e cala. E assim se abriu o precedente, a caixa de Pandora. Doravante, terão também que aceitar "os males do mundo" aos governantes de direita. Ai Portugal, Portugal.
José Sócrates universidade de Verão PS António Costa Portugal política
Ver comentários