Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João de Sousa

Costa, "esse frouxo"

Confrontado com as normas sem sentido que se refletem nos reclusos, Sócrates dizia que a culpa era do ex-ministro Alberto Costa.

João de Sousa 6 de Dezembro de 2015 às 00:30
Todos os grandes homens passaram pela prisão! Todos injustiçados, mas a História contará a verdade, João!" Foi há cerca de um ano – 27 de dezembro de 2014 – que José Sócrates pronunciava estas palavras, de botas calçadas (as famosas botas), casaco polar fechado até ao queixo, encolhido, com as mãos "calçadas" com umas meias, porque o diretor não permitia (e ainda não permite) a entrada de luvas.

"Que espírito pequeno tem esta gente! Qual é o problema de termos luvas, cachecol, aquecimento na cela?", questionava o preso 44 nos nossos passeios pelo pátio. E sorrindo, eu, que também caminhava gelado, alertei o José para o facto de ter sido o Governo dele a aprovar tais normas.

Sacudindo a água do capote, explicou- -me que o primeiro- -ministro delega nos seus ministros a realização da legislação das áreas que tutelam, e neste caso a culpa era "do Costa [Alberto Costa, que foi ministro da Justiça], que sempre cedeu à direita nestas questões". "Mas o José não tem a palavra final?", perguntei. "Claro, eu sempre autorizei [e esta foi a palavra que utilizou] o texto final das leis." Estávamos em dezembro, um mês após a sua prisão, ainda com os ódios que depois votaria a certas personagens do PS em estado embrionário. Outra história: "Como é possível, João? Já saiu a sua acusação e você ainda aqui!" Mais uma vez fomos os dois ver ao Código de Processo Penal: "Repare, José, existe ainda perturbação da instrução, logo mantêm a prisão preventiva"; "Você aceita isso assim?" Respondi- -lhe que era a lei, não estava de acordo, mas era a regra. "As regras que o José legislou", avancei. "Eu?! Foi o Costa, esse frouxo sempre fez tudo o que o Ministério Público queria!"; "Mas a palavra final não era do José?"; "Nada disso. Acha que eu controlo todas as pastas? Isso foram coisas do Costa!"

----------------
Cadeia reserva-lhe lugar na História
Mas por ter sentido aqui na pele aquilo que legislou
A propósito das restrições e falta de condições que o ex-44 encontrou aqui em ‘Ébola’, não resisti a dizer-lhe: "O José ficará para a História como o primeiro-ministro que sentiu verdadeiramente na pele o que legislou!"

Ódios e apoios: afinal tudo estratégia 
Quem estava com o político injustamente perseguido
4 de maio de 2015. Depois de ter recebido inúmeras visitas aqui em ‘Ébola’ de várias figuras do Partido Socialista, já uma seleção estava claramente feita pelo recluso 44: os que estavam com Sócrates e aqueles que ele considerava estarem contra o ex-primeiro-ministro injustamente perseguido.

Para o camaleão, tudo muda consoante a circunstância
Não vou colocar aqui o que dirá agora Sócrates sobre aqueles que tão maltratou e descreveu. Não o ouvi da sua boca. Mas tenho a certeza de que a sua narrativa iria variar consoante a sua condição processual, ou seja, estando preso ou confortavelmente em liberdade, o camaleónico José!




João de Sousa opinião