Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Vaz

Sem câmaras a filmar

Testemunhei a forma cruel como foi mandado embora um doente na casa dos 80 anos.

João Vaz 25 de Outubro de 2017 às 00:30
Dois dias antes da recente tragédia dos fogos, testemunhei num hospital central de Lisboa, o Santa Maria, a forma cruel como foi mandado para casa, sem atendimento, um doente na casa dos 80 anos, amparado na mulher e vindo de 300 km de distância para fazer um exame médico marcado há 15 meses.

O pessoal técnico estava de greve e não havia meios para pôr os aparelhos a funcionar. O doente a necessitar de exame radiológico à cabeça, para averiguar o que lhe provoca a notória perda de visão, viu o meio de diagnóstico ser remarcado para dentro de mais de um mês. A contas com problemas de mobilidade, terá de voltar a fazer a viagem de ida e volta de comboio e ficar em Lisboa de um dia para o outro porque não há horário que o traga de longe a tempo de estar no hospital, de manhã, à hora marcada.

Acredito que todos os dias outras pessoas testemunham casos difíceis deste género. E a questão é se não há como preveni-los sem ter, como nos incêndios florestais, de reunir o conselho de ministros extraordinário para decidir medidas de centenas de milhões de euros e desenhar reformas estruturais anunciadas como capazes de tornar o autêntico inferno que se viu num verdadeiro paraíso.

No caso, e num tempo em que se chega a todas as pessoas por telemóvel, bastaria o aviso atempado do adiamento do exame. E tal sem necessidade do inefável despacho do ministro que, no entanto, devia pensar nos cidadãos quando negoceia reivindicações com os funcionários.

Será que medidas simples daquele género estão nos serviços mínimos ou na agenda inadiável dos departamentos, antes de uma greve como a de depois de amanhã na função pública? A melhoria da vida das pessoas fica muitas vezes fora do foco das câmaras e do destaque jornalístico.

Há muito tempo que não se veem grandes títulos sobre o aumento do custo de vida. Noticia-se apenas que a inflação está baixa e não puxa pela economia.
Lisboa Santa Maria ministro economia negócios e finanças questões sociais
Ver comentários