Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

Envolvida em alhadas na Gâmbia

Férias da atriz tendem a envolver viagens para longe, locais exóticos e situações algo perturbadoras.

Leonardo Ralha 27 de Setembro de 2014 às 00:30

Conhecida por derramar sensualidade nos palcos e televisão, São José Correia disse à ‘TV Guia’ que até está a utilizar os seus poderes com extrema parcimónia. "Se eu me quisesse dar ao trabalho, seria mesmo uma bomba", afirmou a atriz de 40 anos, que aparenta partilhar a agência de viagens com alguns homens-bomba. Não tanto por aquela célebre viagem ao Bornéu, onde pretendia fazer trabalho voluntário com orangotangos, até descobrir que lhe iriam cobrar 600 euros para servir de babysitter de símios. Ou pela mais recente ida ao Camboja e Vietname, numa busca de espiritualidade asiática bastante malsucedida, pois só encontrou "o poder do dólar" e mesmo "pedofilia à vista de todos, com crianças de cinco e seis anos". Mesmo radical foi, no entanto, a experiência que São José partilhou com uma amiga ao visitar o Senegal, onde as duas se aperceberam de "que não havia nada de bom para fazer ao fim de três dias". Perante tamanha falta de imaginação, a solução foi atravessarem a fronteira para a Gâmbia, que tem uma selva "que cheira maravilhosamente" e um sistema de portagens mais agressivo do que o português. "Numa estrada sem luz, no meio do nada, fomos paradas por um negro com dois metros de altura, com uma metralhadora, a pedir dinheiro. Dessa vez meti as mãos à cabeça", recordou a atriz. Teria sido uma experiência mais agradável se fosse um anão albino, armado com um lança-granadas, numa rotunda bem iluminada da capital do país?

São José Correia TV Guia Bornéu Gâmbia
Ver comentários