Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

Uma serra nas mãos da estrela

Passatempo da ex-‘moranguita’ que foi ganhar a vida para Angola é passível de gerar alarme social.

Leonardo Ralha 2 de Maio de 2015 às 00:30

Uma década decorrida desde a retumbante estreia na Academia de Alcochete da televisão nacional chamada ‘Morangos com Açúcar’, Marta Faial transferiu a carreira para Angola, onde não descansa enquanto não alterar mentalidades.

"Em 2012, fiz a ‘Windeck’, que foi uma telenovela que também teve muito impacto, por ter sido nomeada para os Emmys e ter uma personagem que tocava num assunto tabu, pois eu fazia parte de um casal de lésbicas", explicou à ‘Vip’ a filha da famosa manequim Ana Marta, o que lhe permitiu ter acesso aos bastidores da moda desde criança.

No entanto, a mulher que em tempos ingeria três pratos de Cerelac seguidos para combater a magreza teve alguns empregos menos glamorosos, chegando a trabalhar em restaurantes e bares para pagar os estudos.

"Tenho muito orgulho nisso, porque cada profissão que fiz também me deu mais ferramentas para o meu trabalho. Se algum dia tiver de fazer de barmaid, já sei como é que se pega nas garrafas", explica a verdadeira mulher dos sete instrumentos, até porque na escola secundária dispensou a disciplina de Francês, optando por Educação Tecnológica, o que a habilita a fazer tapetes de Arraiolos e a tratar de quadros elétricos.

"Tenho ataques de bricolage, pinto paredes, arranjo candeeiros, serro coisas, limpo. Fico entretida", garante uma das pessoas mais atraentes entre aquelas que se entretêm com serrotes...

Academia de Alcochete Marta Faial Angola Ana Marta Educação Tecnológica questões sociais sociedade (geral)
Ver comentários