Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Luciano Amaral

Uma volta

Ninguém se admire que o PCP comece a pedalar para trás, constatando o erro histórico do apoio a António Costa.

Luciano Amaral 25 de Janeiro de 2016 às 00:30
Afinal, uma volta foi mais do que suficiente para Marcelo cumprir o seu destino. Resta saber o que vai fazer com ele. Por muito que durante a campanha tivesse derramado sobre nós a sua "magistratura de afectos" e a sua "desdramatização", o novo Presidente vai precisar de mais do que isso.

E muito proximamente: o Governo do "tempo novo" acaba de apresentar um Orçamento com todos os sinais de irrealismo (ou então de realismo eleitoralista). Não é bom sinal que Marcelo tenha dito, mesmo antes de o conhecer, que o viabilizaria, se necessário convidando o PSD a dar apoio parlamentar. É que, apesar do ar ligeiro com que a eleição decorreu, continuamos a viver num país em crise.

De resto, a crise não é só económica mas também política. Por muito que a esquerda cante a beleza da sua unidade, basta que o PS seja obrigado (pela União Europeia, pelos "mercados") a um bocadinho de realismo para perder o apoio dos seus companheiros de estrada.

Alguns deles parecem mesmo estar já a pagar o preço das suas transigências com o "sistema" – veja-se o horrível resultado de Edgar Silva. Ninguém se admire que o PCP comece agora a pedalar para trás, constatando o erro histórico do apoio a António Costa. A crise da esquerda parlamentar vai rebentar nas mãos de Marcelo.

E ainda há a direita, à espera da oportunidade para se vingar do "golpe" de Costa. Notem-se os avisos de Paulo Portas na noite eleitoral e o esvaziamento do entusiasmo da multidão da Faculdade de Direito (uma trasladação do Restelo e de Cascais para ali), à medida que Marcelo, no seu discurso de vitória, insistia na "justiça social", nas pessoas que vivem nas "periferias da sociedade" e em "todos os portugueses". Marcelo que se prepare também para os seus amigos.

E pronto, agora é esperar que o homem saiba no que se meteu e que saiba desenvencilhar-se de tudo aquilo em que o vão meter.
Ver comentários