Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Miguel Alexandre Ganhão

29 milhões para bicicletas em Lisboa

Ciclistas serão uma prioridade para a autarquia liderada por Fernando Medina.

Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 15 de Outubro de 2015 às 00:30
A Câmara de Lisboa vai pôr à votação dos cidadãos no próximo dia 15 de novembro 189 propostas do Orçamento Participativo. Os ciclistas serão uma prioridade para a autarquia liderada por Fernando Medina; casas de banho nas ciclovias, abrigos para guardar os veículos de duas rodas e um contrato milionário para compra de bicicletas. São 29 milhões de euros...sim, leu bem, 29 milhões para comprar 1300 bicicletas.

A EMEL, que nos aplica multas de estacionamento a torto e a direito, propõe-se agora a gastar 29 milhões de euros a comprar bicicletas! Numa conta rápida, cada velocípede custará mais de 22 mil euros...

Este negócio não será votado pelos lisboetas. É um concurso público (anúncio 6105/2015) que tem por objetivo criar um Sistema de Bicicletas Públicas Partilhadas (SBPP) na capital e tem a duração de três anos e oito meses.

A ideia não é nova. A própria EMEL, já quis abrir um concurso de bicicletas para a cidade, mas em moldes diferentes. A ideia era fazer o vencedor do concurso de mobiliário urbano pagar o custo das bicicletas, e o modelo já estava escolhido e era de produção nacional.

Os critérios de adjudicação deste concurso milionário também já estão definidos. O primeiro, que vale logo 50% é, naturalmente, o preço! O segundo fator mais significativo (30%) é "experiência na utilização da bicicleta". As características do próprio veículo em si só valem 10%, enquanto a imagem apresentada para o novo SBPP vale outros 10%.


Concorrência paga 15 mil euros para melhorar a reputação
A Autoridade da Concorrência (AdC), liderada por António Ferreira Gomes, pagou 15 mil euros por um serviço de gestão de reputação. Esta entidade reguladora, que superintende os grandes negócios realizados em Portugal,  diz que o trabalho tinha por objetivo "melhorar a comunicação e a promoção da defesa dos benefícios da concorrência". O trabalho foi realizado pela agência de comunicação Imago e já foi totalmente pago.
Ver comentários