Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Miguel Alexandre Ganhão

Raposas no galinheiro

O Fisco exige 31 milhões ao BES e ao Novo Banco. Juntas, as instituições impugnaram a dívida.

Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 21 de Novembro de 2016 às 00:30
O destino do Novo Banco deverá ser conhecido dentro de dias. Herdeiro dos ativos do defunto BES, que ainda luta para tentar descobrir quem são os credores espalhados pelo Mundo, a instituição agora liderada por José Ramalho tem o futuro ligado ao do BES em mais do que uma vertente. Não é de estranhar que existam personagens do antigo universo BES ativamente envolvidas na resolução dos problemas do Novo Banco. É o caso do ex-administrador Rui Silveira.

Responsável quase desde o início pela auditoria do banco de Ricardo Salgado, Silveira foi suspenso de funções em julho de 2014 pelo Banco de Portugal e é alvo de um processo de contraordenação por parte do regulador por factos relacionados com o Banco Espírito Santo Angola (BESA).

Acontece que o jurista Rui Silveira está a colaborar com a sociedade de advogados FCB, que tem como rostos mais conhecidos a ex-ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz e Miguel Lorena Brito. A mesma sociedade contratada pelo Novo Banco para prestar assessoria jurídica. O nome de Rui Silveira não aparece no site da FCB, mas, segundo apurou o Correio Indiscreto, a colaboração é efetiva.

Um outro elo de ligação entre o BES e o Novo Banco é a Autoridade Tributária. O Fisco não descansa e quer ver pagos todos os impostos em falta, sejam da responsabilidade do banco de Ricardo Salgado, ou estejam no universo do Novo Banco. Assim, BES e Novo Banco juntaram-se no processo de impugnação do pagamento de 31 milhões de euros de impostos em atraso reclamados pela AT. Os responsáveis de ambas as instituições já foram notificados e a impugnação entrou nos tribunais tributários na passada sexta-feira, dia 18 de novembro.

-----

Conselheiro de Isabel: Sonangol - O português que mandano petróleo angolano
Mário Leite da Silva, um dos homens de confiança de Isabel dos Santos, é o novo homem-forte da Sonangol. A filha do presidente José Eduardo dos Santos terá nomeado o economista Mário Silva como consultor especial da administração da petrolífera angolana. Esta nomeação surge numa altura em que correm notícias de que Isabel dos Santos, recentemente nomeada presidente do conselho de administração da Sonangol, terá metido baixa médica em consequência de uma gravidez de risco, e que existem mais demissões previstas na cúpula da petrolífera angolana.
Ver comentários